16 de junho de 2024 Atualizado 20:49

Notícias em Americana e região

8 de Agosto de 2019 Grupo Liberal Atualizado 13:56
MENU

Publicidade

Compartilhe

Política

Banco volta a pedir apreensão de bens de Jair Renan para cobrir dívida de R$ 360 mil

Filho do ex-presidente é acusado de falsificar dados de contabilidade de uma empresa de eventos e mídia para conseguir empréstimos com o banco

Por Agência Estado

06 de junho de 2024, às 21h01 • Última atualização em 07 de junho de 2024, às 11h00

Advogado diz que Jair Renan foi vítima de um estelionatário e que o banco o cobra sem se importar com a razão - Foto: Reprodução_Instagram

O banco Santander voltou a pedir à Justiça a apreensão de bens de Jair Renan Bolsonaro, filho do ex-presidente Jair Bolsonaro (PL), para cobrir uma dívida de R$ 360 mil.

Em nota, o advogado Admar Gonzaga, que representa Jair Renan, disse que ele foi “vítima de um estelionatário” e que o banco o cobra “sem se importar com a razão”.

A dívida está no centro de um processo contra o filho do ex-presidente, por lavagem de dinheiro, uso de documento falso e falsidade ideológica. A ação foi aberta a partir de investigação e denúncia do Ministério Público do Distrito Federal.

Jair Renan é acusado de falsificar dados de contabilidade de uma empresa de eventos e mídia para conseguir empréstimos com o banco. Ele nega irregularidades.

O Santander pede a emissão de um alerta ao Sistema de Busca de Ativos do Poder Judiciário, que permite a pesquisa de informações bancárias, saldos e extratos. O objetivo é rastrear bens e dinheiro que eventualmente estejam em outras instituições financeiras para garantir o pagamento forçado da dívida.

O pedido foi apresentado no dia 24 de maio, em uma ação de cobrança extrajudicial no Tribunal de Justiça do Distrito Federal, após quatro tentativas frustradas de intimar o filho do ex-presidente no processo.

COM A PALAVRA, O ADVOGADO ADMAR GONZAGA, QUE REPRESENTA JAIR RENAN

“O Jair Renan está sofrendo as consequências após ser vítima de um estelionatário conhecido pela polícia e pela Justiça. O Banco vai atrás da dívida, sem se importar com a razão. Tudo será esclarecido a tempo e modo.”

Publicidade