17 de abril de 2021 Atualizado 09:49

8 de Agosto de 2019 Atualizado 13:56
MENU

Publicidade

Compartilhe

Exonerado

Após pressão do Congresso, Ernesto Araújo pede demissão a Bolsonaro

Chanceler passou pouco mais de 800 dias à frente do Itamaraty e vinha sendo contestado dentro e fora do governo

Por Agência Estado

29 mar 2021 às 12:54 • Última atualização 29 mar 2021 às 14:33

O embaixador Ernesto Araújo se reuniu com o presidente Jair Bolsonaro nesta segunda-feira (29) para entregar seu cargo. A informação foi repassada ao Estadão por pessoas que acompanham a discussão sobre a saída do chanceler. Ernesto Araújo passou pouco mais de 800 dias à frente do Itamaraty e vinha sendo contestado dentro e fora do governo.

Ernesto Araújo passou pouco mais de 800 dias à frente do Itamaraty – Foto: Marcos Corrêa / PR_03.03.2021

O chanceler cancelou compromissos nesta segunda-feira com autoridades estrangeiras para discutir seu futuro. E foi chamado de última hora por Bolsonaro no Palácio do Planalto. Auxiliares diretos do ministro consideram que a situação é “irreversível”. Ele também cancelou a reunião geral com secretários, depois de ser convocado ao palácio. O encontro estava previsto para ocorrer ao meio-dia, até que o ministro recebeu o chamado presidencial.

A pressão sobre Ernesto aumentou neste domingo, depois que o ministro acusou a senadora Kátia Abreu (Progressistas-TO) de fazer lobby de chineses durante almoço com ele no Itamaraty. Com o gesto, ele forçou novo embate entre o governo Bolsonaro e o Congresso Nacional. Presidente da Comissão de Relações Exteriores, a senadora disse que apenas defendeu que não haja discriminação à China no leilão do 5G e chamou o ministro de “marginal”. Ela recebeu apoio expressivo de congressistas que já cobravam a demissão de Ernesto.

A tese dos interesses chineses por trás da queda de Ernesto Araújo já vinha sendo apontada nos bastidores por aliados do ministro no governo e por militantes conservadores nas redes sociais.

A declaração do ministro, no Twitter, foi interpretada como gesto “suicida” por diplomatas, e uma forma de construir uma versão para justificar sua saída do cargo. Parlamentares e diplomatas avaliam que o ministro teve apoio do clã Bolsonaro nessa contra-ofensiva. Ele tem apoio público do deputado Eduardo Bolsonaro (PSL-SP), o filho do presidente que mais interfere na política externa.

Publicidade