Após dois anos, caso Marielle ainda tem lacunas


Dois anos depois do assassinato da vereadora Marielle Franco (PSOL) e do motorista Anderson Gomes, em 14 de março de 2018, no Rio, perguntas cruciais sobre o caso seguem sem respostas. O policial militar reformado Ronnie Lessa e o ex-PM Élcio Queiroz foram presos há um ano, acusados de serem os executores do crime – eles negam -, mas os mandantes não foram identificados. Lessa e Queiroz devem ser submetidos a júri popular este ano.

As principais linhas de investigação foram sendo descartadas sem que outras tenham vindo a público. Como o caso é mantido sob segredo de Justiça, pontos básicos do crime, como a motivação do assassinato, continuam desconhecidos. Ainda nestes dois anos, acusações graves foram feitas à equipe de investigação da Polícia Civil – que receberia propina de milicianos – e uma “investigação da investigação” chegou a ser instaurada pela Polícia Federal. Os resultados das apurações nunca foram apresentados. As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.

LIBERAL VIRTUAL Acesse agora