23 de Maio de 2020 Atualizado 20:08

8 de Agosto de 2019 Atualizado 13:56
MENU

Compartilhe

Política

‘Alimentar o caos é o único plano do presidente’, afirma Wilson Witzel

Por Agência Estado

03 Maio 2020 às 18:40 • Última atualização 03 Maio 2020 às 18:51

O governador do Rio, Wilson Witzel, criticou mais uma vez o presidente Jair Bolsonaro via redes sociais ao afirmar que ele diz pregar a democracia, mas fica em silêncio diante das agressões sofridas por profissionais do Estadão/Broadcast em manifestação da qual participou neste domingo (3).

“Alimentar o caos é o único plano de governo do presidente”, afirmou Witzel em postagem no Twitter, logo após replicar reportagem do Estadão/Broadcast que relata que apoiadores do presidente Jair Bolsonaro agrediram com chutes, murros e empurrões a equipe de profissionais do jornal que acompanha uma manifestação pró-governo realizada hoje, em Brasília.

O fotógrafo Dida Sampaio registrava imagens do presidente em frente a rampa do Palácio do Planalto, na Esplanada dos Ministérios, numa área restrita para a imprensa quando foi agredido.

Mais cedo, o governador fluminense afirmou que enquanto o ponto básico de atenção no mundo inteiro é manter o isolamento social, o presidente do Brasil segue em caminho contrário, “mandando as pessoas para o corredor da morte”. Witzel questionou: “Até quando o presidente vai tratar a covid-19 como um resfriadinho?”.

O governador do Rio é um dos principais atores da guerra política instaurada entre o presidente e governadores em meio à pandemia do novo coronavírus. Em artigo publicado ontem no jornal O Globo, Witzel pediu que o mandatário pare de incendiar o Brasil e assuma sua responsabilidade em ajudar os Estados no enfrentamento da pandemia do coronavírus.

“(O presidente) não consegue ter conosco (os Estados) uma relação institucional. Quer jogar nas nossas costas a culpa de tudo. Não vai ser assim, presidente. Assuma sua responsabilidade. Ou sua irresponsabilidade”, escreveu.

Na semana passada Bolsonaro voltou a dizer que não se responsabiliza pelas mortes pela covid-19 e que “a conta” deve ser direcionada aos governadores e prefeitos que adotaram medidas de restrição.