20 de junho de 2024 Atualizado 00:54

Notícias em Americana e região

8 de Agosto de 2019 Grupo Liberal Atualizado 13:56
MENU

Publicidade

Compartilhe

Mundo

Spike Lee pede que Hollywood abandone o estado da Geórgia

Economia da Geórgia recebe atualmente um incentivo anual de US $ 9,5 bilhões do setor

Por Agência Estado

07 de junho de 2019, às 17h03 • Última atualização em 07 de junho de 2019, às 17h40

Foto: Reprodução / Twitter
“Eu sei que vai afetar o sustento das pessoas. Mas é assim que as coisas mudam”, disse Lee

O diretor Spike Lee pede que as produtoras de Hollywood deixem a Geórgia por causa de uma lei que proíbe o aborto após a detecção de um batimento cardíaco fetal, por volta da sexta semana de gravidez.

A maioria dos estúdios que comentaram o caso disseram que estão esperando para ver se a chamada lei heartbeat realmente entrará em vigor no próximo ano, ou se os tribunais irão bloqueá-la. Mas na linha de chegada do tributo às realizações da American Film Institute, de Denzel Washington, nesta quinta-feira, Lee disse que agora é hora de as produções da Geórgia “fecharem” e boicotarem a indústria cinematográfica em expansão.

Lee reconheceu que um êxodo em massa poderia prejudicar a subsistência da região, mas citou os motoristas de ônibus negros afetados pelo boicote da era do Movimento dos Direitos Civis em Montgomery. “Eu sei que vai afetar o sustento das pessoas. Mas é assim que as coisas mudam”, disse Lee. “Você tem que estar do lado certo da história, e do estado da Geórgia e dos outros estados, eles estão errados”, acrescentou. A economia da Geórgia recebe atualmente um incentivo anual de US $ 9,5 bilhões do setor.

Nas últimas semanas, Universal, Netflix, Disney e Warner ameaçaram não rodar mais gravações no estado da Geórgia se a lei entrar em vigor.

“Temos muitas mulheres trabalhando em produções na Geórgia, que terão seus direitos severamente restringidos por essa lei”, disse o diretor de conteúdo da Netflix, Ted Sarandos. “Eu acho que muitas pessoas que trabalham para nós não vão querer trabalhar na Geórgia, e nós teremos que respeitar suas posições”, declarou Bob Iger, diretor-executivo da Disney.

Publicidade