24 de junho de 2024 Atualizado 17:34

Notícias em Americana e região

8 de Agosto de 2019 Grupo Liberal Atualizado 13:56
MENU

Publicidade

Compartilhe

Mundo

Seul vai reiniciar transmissões anti-Pyongyang por alto-falantes em retaliação ao lixo do Norte

Por Agência Estado

09 de junho de 2024, às 16h07

A Coreia do Sul anunciou neste domingo, 9, que vai retomar as transmissões de propaganda anti-Coreia do Norte por alto-falantes em áreas fronteiriças, em retaliação ao envio de mais de mil balões cheios de lixo e esterco pela Coreia do Norte nas últimas semanas.

A medida certamente irritará Pyongyang e poderá levar a ações militares retaliatórias, aumentando as tensões entre os rivais divididos pela guerra em meio a um impasse diplomático sobre as ambições nucleares do Norte.

Após uma reunião de segurança de emergência liderada pelo diretor de segurança nacional sul-coreano, Chang Ho-jin, no domingo, as autoridades decidiram instalar e iniciar as transmissões por alto-falantes, informou o escritório presidencial de Seul, em um comunicado.

Chang e outros oficiais de segurança sul-coreanos criticaram Pyongyang por tentar causar “ansiedade e perturbação” na Coreia do Sul e enfatizaram que a Coreia do Norte seria “unicamente responsável” por qualquer futura escalada de tensões entre as Coreias.

O Norte disse que sua campanha veio após ativistas sul-coreanos enviarem balões com folhetos anti-Coreia do Norte, bem como pen drives com músicas e dramas populares sul-coreanos, aos quais Pyongyang é extremamente sensível, pois teme que isso possa desmoralizar as tropas de linha de frente e os residentes e eventualmente enfraquecer o controle do líder Kim Jong Un, dizem analistas.

Com os alto-falantes, a Coreia do Sul pode transmitir propagandas anti-Pyongyang, músicas de K-pop e notícias externas através da fronteira fortemente armada entre os rivais.

Em 2015, quando a Coreia do Sul reiniciou as transmissões por alto-falantes pela primeira vez em 11 anos, a Coreia do Norte disparou tiros de artilharia através da fronteira, levando Seul a responder com fogo, segundo autoridades sul-coreanas. Não foram relatadas baixas.

Na semana passada, quando as tensões aumentaram devido aos balões carregados de lixo, a Coreia do Sul também suspendeu um acordo de redução de tensões de 2018 com a Coreia do Norte, permitindo-lhe retomar campanhas de propaganda e possivelmente reiniciar exercícios militares de fogo real em áreas fronteiriças.

O ministro da Defesa sul-coreano, Shin Won-sik, em uma reunião com os principais comandantes militares, pediu uma preparação minuciosa contra a possibilidade de que o Norte responda às transmissões por alto-falantes com uma ação militar direta, disse o Ministério da Defesa da Coreia do Sul em um comunicado. No entanto, o ministério não confirmou imediatamente se as transmissões por alto-falantes haviam começado até a tarde de domingo.

A Coreia do Norte continuou a enviar centenas de balões para a Coreia do Sul durante o fim de semana, uma terceira campanha desse tipo desde o fim de maio, disse o exército sul-coreano.

O Estado-Maior Conjunto da Coreia do Sul afirmou que detectou o lançamento de cerca de 330 balões pelo Norte desde a noite de sábado e cerca de 80 foram encontrados em território sul-coreano até a manhã de domingo. O exército disse que os ventos estavam soprando para leste na noite de sábado, o que possivelmente fez com que muitos balões flutuassem para longe do território sul-coreano.

O exército sul-coreano disse que os balões que pousaram lançaram lixo, incluindo resíduos plásticos e de papel, mas não foram descobertas substâncias perigosas.

O exército, que mobilizou unidades de resposta rápida química e de remoção de explosivos para recuperar os balões e materiais norte-coreanos, alertou o público para ter cuidado com objetos caindo e não tocar em balões encontrados no chão, mas reportá-los à polícia ou às autoridades militares.

Nas duas rodadas anteriores de atividades com balões da Coreia do Norte, as autoridades sul-coreanas descobriram cerca de mil balões amarrados a sacos de vinil contendo esterco, pontas de cigarro, pedaços de pano, baterias usadas e papel de resíduos. Alguns estouraram e se espalharam por estradas, áreas residenciais e escolas. Não foram encontrados materiais altamente perigosos nem foram relatados danos significativos.

O vice-ministro da Defesa da Coreia do Norte, Kim Kang Il, disse posteriormente que seu país interromperia a campanha de balões, mas ameaçou retomá-la se ativistas sul-coreanos enviassem folhetos novamente.

Desafiando o aviso, um grupo civil sul-coreano liderado pelo desertor norte-coreano Park Sang-hak disse que lançou 10 balões de uma cidade fronteiriça na quinta-feira, carregando 200 mil folhetos anti-Coreia do Norte, pen drives com músicas de K-pop e novelas, além de cédulas de US$ 1. A mídia sul-coreana informou que outro grupo de ativistas também lançou balões com folhetos de propaganda em direção à Coreia do Norte na sexta-feira.

Nos últimos anos, Kim tem intensificado a campanha para eliminar as influências culturais e linguísticas sul-coreanas. Em janeiro, Kim declarou que o Norte abandonaria seu antigo objetivo de uma unificação pacífica com o Sul e reescreveria sua constituição para consolidar o Sul como um inimigo permanente. Especialistas dizem que os esforços de Kim para reforçar a identidade separada do Norte podem ter como objetivo fortalecer o domínio dinástico da família Kim.

A campanha de balões da Coreia do Norte também pode ter como objetivo causar uma divisão na Coreia do Sul sobre a abordagem linha-dura de seu governo conservador em relação à Coreia do Norte.

Parlamentares liberais, alguns grupos cívicos e residentes da linha de frente na Coreia do Sul pediram ao governo que inste os ativistas que lançam folhetos a pararem de enviar balões para evitar confrontos desnecessários com a Coreia do Norte. Mas as autoridades governamentais não fizeram nenhum apelo em linha com a decisão do tribunal constitucional do ano passado, que derrubou uma lei que criminalizava a distribuição de folhetos anti-Coreia do Norte como uma violação da liberdade de expressão.

Publicidade