17 de junho de 2024 Atualizado 12:38

Notícias em Americana e região

8 de Agosto de 2019 Grupo Liberal Atualizado 13:56
MENU

Publicidade

Compartilhe

Mundo

Na Índia, Modi é empossado para um terceiro mandato como primeiro-ministro

Por Agência Estado

09 de junho de 2024, às 16h07

O político Narendra Modi foi empossado neste domingo, 9, para um raro terceiro mandato consecutivo como primeiro-ministro da Índia, apoiado por seus parceiros de coalizão após seu partido não ter conseguido a maioria parlamentar nas eleições.

O partido nacionalista hindu, o Bharatiya Janata Party (BJP), que venceu por ampla maioria em 2014 e 2019, não conseguiu garantir a maioria necessária para governar sozinho na última eleição nacional. No entanto, a coalizão Aliança Democrática Nacional (NDA) de Modi conquistou assentos suficientes para formar um governo, com ele à frente.

Os resultados finais das eleições divulgados na quarta-feira passada mostraram que o BJP de Modi conquistou 240 assentos, bem abaixo dos 272 necessários para a maioria. Juntos, os partidos da coalizão NDA garantiram 293 assentos na câmara baixa do Parlamento, que tem 543 membros.

Esta é a primeira vez que o BJP, sob a liderança de Modi, precisou do apoio de aliados regionais para formar um governo após uma década de maioria no Parlamento. Modi, de 73 anos, é o segundo primeiro-ministro indiano, depois de Jawaharlal Nehru, a manter o poder por um terceiro mandato de cinco anos.

O governo de coalizão de Modi agora depende principalmente de dois aliados regionais importantes – o Telugu Desam Party no Estado de Andhra Pradesh, no sul, e o Janata Dal (United) no Estado de Bihar, no leste – para se manter no poder.

Enquanto isso, o desafiante político de Modi, a aliança INDIA liderada pelo ressurgente partido Congresso, apresentou uma luta mais forte do que o esperado, dobrando sua força desde a última eleição para conquistar 232 assentos.

Um nacionalista hindu declarado, o primeiro-ministro é considerado um campeão da maioria hindu do país, que constitui 80% da população de 1,4 bilhão da Índia. Seus apoiadores o creditam por um rápido crescimento econômico e por melhorar a posição global da Índia desde que assumiu o poder.

Mas os críticos dizem que ele também minou a democracia da Índia e seu status de nação secular, com ataques de nacionalistas hindus contra minorias do país, particularmente muçulmanos, e um espaço cada vez menor para a dissidência e a mídia livre. Seus opositores políticos questionam o histórico econômico de seu governo, apontando para o alto desemprego e a crescente desigualdade, apesar do forte crescimento. Fonte: Associated Press.

Publicidade