26 de maio de 2024 Atualizado 17:46

Notícias em Americana e região

8 de Agosto de 2019 Grupo Liberal Atualizado 13:56
MENU

Publicidade

Compartilhe

Brasil e Mundo

Lula elogia candidatura única da oposição contra Maduro e diz que não leu carta de Milei

Por Agência Estado

23 de abril de 2024, às 15h03

O presidente Luiz Inácio Lula da Silva disse nesta terça-feira, dia 23, que foi “extraordinária” a decisão da oposição da Venezuela de se unir em torno de um candidato único contra o ditador Nicolás Maduro, de quem o petista é aliado.

A Plataforma Democrática Unitária anunciou que apoiará a candidatura do diplomata Edmundo González Urrutia, depois que o regime chavista impediu o registro das candidatas Corina Yoris e Maria Corina Machado.

“A questão da Venezuela, está acontecendo uma coisa extraordinária, a oposição toda se reuniu, está lançando candidato único e vai ter eleições”, disse Lula, em café da manhã com jornalistas.

O presidente defendeu a normalização política na Venezuela e reafirmou o interesse do Brasil de acompanhar as eleições presidenciais de 28 de julho. Segundo Lula, há muito interesse no exterior para monitorar a realização das eleições.

“Se o Brasil for convidado participará do acompanhamento das eleições na perspectiva de que quando terminar essas eleições as pessoas voltem à normalidade. Quem ganhou toma posse e governa e quem perdeu se prepara para outras eleições, como eu me preparei depois de três derrotas no Brasil. Fico torcendo para que a Venezuela volte à normalidade, que os EUA retirem as sanções e a Venezuela possa voltar a receber de volta o povo que está deixando a Venezuela pela situação econômica”, disse Lula.

O presidente não comentou sobre a proposta apresentada a ele na semana passada em Bogotá, pelo presidente colombiano Gustavo Petro, de que as forças políticas venezuelanas realizem um plebiscito e formalizem um acordo de garantias democráticas, contra perseguição política após o pleito em Caracas. O Brasil endossou em nota a proposta de Petro. Também aliado de Maduro, ele afirmou que é preciso garantir a vida, a segurança e os direitos políticos de quem sair derrotado.

Semanas antes, Lula e Petro, em gesto inédito, criticaram a proibição do registro de candidatas das opositoras pelo chavismo. Lula disse que o bloqueio era “grave” e afirmou que não havia explicação razoável por parte do governo venezuelano. Petro falou em “golpe antidemocrático”.

Argentina

Uma semana depois de receber nova carta do presidente da Argentina, Javier Milei, o petista afirmou que não tomou conhecimento do conteúdo ainda. A carta foi entregue pela chanceler Diana Mondino, primeira representante de Milei a realizar visita oficial a Brasília, ao ministro Mauro Vieira (Relações Exteriores). “Meu chanceler viajou e ainda não vi a carta”, afirmou Lula. “Não sei o que o Milei está dizendo na carta.”

O presidente disse que, após ler o conteúdo, tem interesse em divulgar o que o presidente da Argentina quer conversar com o Brasil.

Lula e Milei são rivais ideológicos e acumularam um histórico de ofensas e provocações no ano passado, que agora as burocracias diplomáticas tentam amenizar, em prol de um relacionamento mais pragmático, como mostrou o Estadão.

Em cartas anteriores, Milei já falou em se reunir com Lula – algo que rechaçava em campanha eleitoral -, mas a data de um encontro segue em aberto. Milei é visto com desconfiança no Palácio do Planalto, e conselheiros de Lula afirmam que ele deve desculpas ao petista em público.

Publicidade