27 de fevereiro de 2024 Atualizado 11:06

8 de Agosto de 2019 Grupo Liberal Atualizado 13:56
MENU

Publicidade

Compartilhe

Mundo

Israel: Conselho eleva alerta de ameaça para viajantes em uma série de países, incluindo Brasil

Por Agência Estado

04 de dezembro de 2023, às 15h54 • Última atualização em 04 de dezembro de 2023, às 18h23

O governo de Israel elevou hoje para nível 2 seu alerta de ameaça para países da América do Sul, incluindo o Brasil e a Argentina. Segundo comunicado do Conselho de Segurança Nacional do país, o movimento ocorre com a recomendação de exercer maior precaução por parte dos viajantes israelenses a estes territórios. Na mesma comunicação, o governo elevou também o risco de ameaça para países da Europa Ocidental, incluindo Reino Unido, França e Alemanha, bem como a Austrália e Rússia.

Desde o início da Operação Espadas de Ferro na Faixa de Gaza, o Conselho de Segurança Nacional tem conduzido avaliações contínuas da situação em conjunto com as organizações de segurança israelenses. “Consequentemente, um anúncio foi divulgado ao público em 3 de Novembro de 2023, listando recomendações para a conduta dos viajantes no exterior neste momento, e enfatizando a ameaça em vários países”, diz o comunicado.

Desde o início da guerra, o Conselho diz que identificou esforços crescentes por parte do Irã e dos seus representantes, incluindo o Hamas e as facções da Jihad Global, para prejudicar alvos israelenses e judeus em todo o mundo. “Ao mesmo tempo, há um aumento constante e significativo no incitamento, nas tentativas de ataques e nas manifestações de antissemitismo em muitos países”, afirma o comunicado.

Entre as recomendações para viajantes, o Conselho aponta: verificar se houve protestos anti-Israel e violência no destino, mesmo em países para os quais não foram emitidos avisos; ficar longe de manifestações e protestos; permanecer alerta enquanto estiver no exterior e estar ciente das coisas que acontecem ao seu redor; evitar exibir abertamente suas identidades israelense e judaica e quaisquer símbolos relevantes e ficar longe de reuniões israelenses e judaicas.

Publicidade