06 de março de 2021 Atualizado 19:05

8 de Agosto de 2019 Atualizado 13:56
MENU

Publicidade

Compartilhe

Mundo

Internet é restaurada em Mianmar enquanto protestos ganham força

Por Agência Estado

07 fev 2021 às 11:42 • Última atualização 07 fev 2021 às 16:33

Enquanto dezenas de milhares de manifestantes marchavam pelas ruas da maior cidade de Mianmar neste domingo para protestar contra o golpe da semana passada, os serviços de internet que haviam sido bloqueados um dia antes voltaram a funcionar.

As autoridades cortaram o acesso à Internet com a intensificação dos protestos no sábado, o que aumentou os temores de um apagão total de informações. Neste domingo à tarde, no entanto, usuários de internet em Yangon relataram que o acesso a dados em seus telefones celulares foi repentinamente restaurado.

Plataformas de mídia social como Facebook e Twitter foram anteriormente bloqueadas, mas permaneceram parcialmente acessíveis. As plataformas de mídia social têm sido as principais fontes de notícias independentes, bem como ferramentas de organização para protestos.

O Netblocks, um serviço com sede em Londres que rastreia interrupções e desligamentos da Internet, confirmou que houve uma restauração parcial da conectividade da Internet neste domingo, mas observou que essa volta pode ser temporária.

Os manifestantes buscam reverter a tomada de poder pelos militares na segunda-feira passada e exigem a libertação da líder deposta do país, Aung San Suu Kyi, e outras figuras importantes de seu partido Liga Nacional para a Democracia. Protestos separados que começaram em várias partes de Yangon convergiram no Sule Pagoda, situado no centro de uma rotatória no centro da cidade. Os manifestantes gritavam “Vida longa à Mãe Suu” e “Abaixo a ditadura militar”.

Os militares acusaram Suu Kyi e seu partido de não terem agido em suas queixas de que a eleição de novembro passado foi marcada por fraude, embora a comissão eleitoral tenha dito que não encontrou nenhuma evidência para apoiar as reivindicações.

O Secretário-Geral da ONU, Antonio Guterres, prometeu que as Nações Unidas farão tudo o que estiver ao seu alcance para unir a comunidade internacional e criar condições para reverter o golpe.

Com Associated Press

Publicidade