23 de Maio de 2020 Atualizado 12:05

8 de Agosto de 2019 Atualizado 13:56
MENU

Compartilhe

Economia

Vale investe US$ 1 milhão em projetos de combate à covid

Por Agência Estado

08 Maio 2020 às 16:07 • Última atualização 08 Maio 2020 às 16:19

A Vale, em parceria com o Hospital Israelita Albert Einstein e a Rede Mater Dei de Saúde, selecionou 11 projetos para receber apoio no desenvolvimento de soluções que reduzam os impactos do novo coronavírus. Batizado de Desafio Vale Covid-19, a iniciativa receberá investimento de aproximadamente US$ 1 milhão da mineradora.

A estimativa é que as soluções apoiadas beneficiarão cerca de 500 mil pessoas em 12 cidades do Brasil e do Canadá. Uma parte do material produzido ou do serviço oferecido pelas parceiras será doada para instituições de saúde de Estados com grande número de casos, como Rio de Janeiro, Ceará e São Paulo, entre outros. Ao todo, 100 hospitais devem ser contemplados.

Foram selecionadas as empresas Compass 3D e Delfino, de Minas Gerais; a Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ); as empresas BioLambda e OrienteMe, sediadas em São Paulo; a Universidade Federal do Amazonas; o Instituto Federal do Ceará; a FaceShield4Life, da Bahia; a Neoprospecta, de Santa Catarina; e a iniciativa Team 1305 e a start-up Flosonics, ambas do Canadá.

Entre as soluções escolhidas no Desafio Vale Covid-19 há desde a fabricação de produtos que estão em falta nas unidades de saúde, como kits de teste PCR, “face shields” (máscaras para uso de profissionais de saúde) ou álcool em gel, até serviços de teleatendimento psicológico, por exemplo. A escolha levou em conta o estágio de maturidade e capacidade de produção das empresas que enviaram as propostas.

A UFRJ, por exemplo, vai fabricar seis sistemas de purificação de etanol para produção de álcool 70%, que serão doados a instituições parceiras. O produto será distribuído para mais de 20 hospitais. Já a catarinense Neoprospecta desenvolve uma solução de testes em massa que permite a avaliação de diversas pessoas simultaneamente. O apoio aumentará a capacidade de produção em 40% e 24 mil pessoas serão testadas gratuitamente.