27 de janeiro de 2021 Atualizado 11:33

8 de Agosto de 2019 Atualizado 13:56
MENU

Compartilhe

Montadora

Sindicatos falam em 50 mil empregos afetados com Ford e culpam governo Bolsonaro

Na segunda-feira, a montadora anunciou o fechamento das fábricas de Camaçari (BA), Horizonte (CE) e Taubaté (SP)

Por Agência Estado

12 jan 2021 às 18:19 • Última atualização 12 jan 2021 às 18:55

Três das principais entidades sindicais se pronunciaram sobre a decisão da Ford de encerrar a produção de veículos no Brasil com a previsão de que a medida terá impacto sobre 50 mil empregos na cadeia produtiva em torno das três fábricas desativadas.

A IndustriAll Brasil, a Central Única dos Trabalhadores (CUT) e a Força Sindical afirmam, em nota, que a saída da montadora seria consequência da ausência de um projeto de reindustrialização do País por parte do governo do presidente da República, Jair Bolsonaro.

Na segunda-feira, 11, a Ford anunciou o fechamento das fábricas de Camaçari (BA), Horizonte (CE) e Taubaté (SP). A empresa emprega cerca de 5,3 mil trabalhadores nos três parques industriais.

“É incontestável a desconfiança interna e internacional e o descrédito quanto aos rumos da economia brasileira com este governo que aí está. Não se toma uma decisão empresarial como essa sem considerar a total incapacidade do governo Bolsonaro”, sustentam as entidades.

O próprio chefe do Planalto é classificado como “um presidente incapaz de conduzir qualquer diálogo sobre a inserção do país no cenário que se configura rapidamente”.

IndustriAll, CUT e Força Sindical lembram, também, que a decisão da Ford ocorre após a montadora ter se valido de benefícios e isenções tributárias com base em regimes automotivos vigentes desde 2001.

“No momento em que a indústria automobilística global passa por uma das mais intensas ondas de transformação, orientada pela eletrificação e pela conectividade, assistimos à criminosa omissão, e até boicote, do subserviente governo brasileiro à indústria, com consequências nefastas para a classe trabalhadora”, escrevem as entidades.

Publicidade