22 de abril de 2021 Atualizado 10:54

8 de Agosto de 2019 Atualizado 13:56
MENU

Publicidade

Compartilhe

Economia

Secretário de Guedes apostou em 2019, valendo churrasco, que PIB cresceria 2,5%

Por Agência Estado

03 mar 2021 às 13:17 • Última atualização 03 mar 2021 às 13:24

No dia 31 de dezembro de 2019, antes da pandemia do coronavírus, o secretário de Política Econômica do Ministério da Fazenda, Adolfo Sachsida, apostou, no Twitter, que a economia brasileira cresceria “igual ou acima de 2,5%” em 2020, valendo um “almoço na churrascaria”.

Na época, casos da doença já haviam sido registrados na China, mas ainda não era conhecida a magnitude que a epidemia viria a tomar poucas semanas depois. A última pesquisa feita pelo Banco Central em 2019 com analistas de mercado apontava uma estimativa de crescimento de 2,3% no PIB brasileiro de 2020.

Atropelada pela pandemia, a previsão do secretário acabou virando piada nas redes sociais e até um evento no Facebook foi criado em que 522 pessoas, entre elas economistas, demonstraram interesse em participar do “Almoção na churrascaria pago pelo Adolfo Sachsida”. “Quem foi que disse que não existe almoço grátis?”, brinca a descrição do evento, em referência à frase popularizada pelo economista norte-americano Milton Friedman.

Ao longo do ano, com o coronavírus chegando ao Brasil em uma onda crescente, mercado e equipe econômica foram ajustando suas projeções. Em maio do ano passado, Sachsida era mais pessimista do que os analistas, e esperava uma queda de 4,7% do PIB brasileiro, enquanto o Focus estimava retração de 4,11%. No início do ano passado, instituições internacionais projetavam quedas muito maiores – o Fundo Monetário Internacional (FMI) chegou a prever perdas de 9,1% e, o Banco Mundial, de mais de 8%.

Em setembro, a previsão da SPE foi mantida em queda de 4,7%, enquanto os analistas ouvidos pelo Focus esperavam queda de 5,52%. Em novembro, a equipe econômica continuou mais otimista, esperando um recuo de 4,5%, ante 4,66% do Focus.

Em entrevista coletiva naquele mês, Sachsida chegou a dizer que a possibilidade de uma segunda onda de coronavírus no Brasil era “baixa” porque, segundo ele, vários Estados estariam caminhando para a chamada “imunidade de rebanho”.

A nova previsão também foi alvo de críticas, e o secretário acabou pedindo desculpas em janeiro deste ano por ter falado do tema fora da seara econômica. “Foi um erro meu ter falado sobre segunda onda, aproveito a oportunidade para me desculpar”, disse.

Na terça-feira, 2, o ministro da Economia, Paulo Guedes, disse que a queda do PIB não chegaria nem a -4%. O ministro fez o comentário baseado nas últimas previsões da equipe, que apontavam um recuo de 3,95% da economia brasileira. O número acabou ficando próximo ao divulgado pelo IBGE nesta quarta-feira, que mostrou um recuo de 4,1% no PIB de 2020.

Publicidade