26 de outubro de 2021 Atualizado 20:32

8 de Agosto de 2019 Atualizado 13:56
MENU

Publicidade

Compartilhe

Economia

Primeira ferrovia estadual de MT não terá recursos públicos, diz governador

Por Agência Estado

20 set 2021 às 15:08 • Última atualização 20 set 2021 às 15:17

O governador do Mato Grosso, Mauro Mendes (DEM), afirmou nesta segunda-feira, 20, que a primeira ferrovia estadual mato-grossense não terá recursos públicos. “O investimento (na ferrovia) será de mais de R$ 11 bilhões, com 100% dos recursos da Rumo”, disse durante cerimônia de assinatura do contrato, sob regime de autorização.

Segundo o governador, a agência reguladora vai fiscalizar a ferrovia, com cumprimento “rigoroso” do contrato. “Não há espaço para insegurança jurídica (no projeto), o investidor tem essa segurança”, destacou.

Mauro Mendes afirmou que os estudos da primeira ferrovia estadual mato-grossense mostraram que havia “apetite” no mercado para projetos dessa magnitude. A ferrovia será operada sob o regime de autorização pela Rumo, única empresa a apresentar proposta para o projeto.

“Um investimento de quase R$ 12 bilhões não é para qualquer um, o investidor precisa de capacidade e expertise. A Rumo é o maior player do Brasil neste setor, era esperado que a empresa tivesse interesse, mas não houve outros interessados”, disse o governador a jornalistas.

O contrato de adesão prevê construção, operação, exploração e conservação da ferrovia por 45 anos, prorrogáveis por mais 45. O investimento do projeto é estimado, segundo fato relevante da Rumo, entre R$ 9 bilhões e 11 bilhões, com previsão de operação do primeiro terminal em 2025 ou 2026, com conclusão em 2030.

O projeto conecta, de modo independente, o terminal rodoferroviário de Rondonópolis a Cuiabá e a Lucas do Rio Verde.

O presidente da Rumo, João Alberto Abreu, explicou que caso alguma outra empresa queira utilizar a ferrovia, a regra utilizada será equivalente a que já existe nas concessões do setor ferroviário. “Existem contratos específicos de operação para este fim. Caso haja interesse de qualquer empresa em usar a estrutura, vamos discutir o pagamento do direito de passagem”, disse a jornalistas.

Publicidade