17 de setembro de 2021 Atualizado 15:14

8 de Agosto de 2019 Atualizado 13:56
MENU

Publicidade

Compartilhe

Economia

PEC dos Precatórios é ‘pedalada’, que já gerou impeachment, diz vice da Câmara

Por Agência Estado

04 ago 2021 às 20:50 • Última atualização 04 ago 2021 às 23:59

O vice-presidente da Câmara, Marcelo Ramos (PL-AM), disse que a Proposta de Emenda à Constituição (PEC) que permite o parcelamento dos precatórios em até dez anos é uma pedalada fiscal que pode ser enquadrado como crime de responsabilidade, ato que, no passado, ensejou o impeachment da ex-presidente Dilma Rousseff. Ramos é o primeiro vice-presidente da Câmara e assume a Mesa Diretora na ausência do presidente Arthur Lira (PP-AL). Após virar alvo do presidente Jair Bolsonaro, ele pediu acesso aos mais de 100 pedidos de impeachment protocolados na Casa e disse que fará uma análise desses documentos. No exercício da presidência da Câmara, Ramos pode, se desejar, abrir formalmente um processo de afastamento do presidente.

“Assisti abismado o governo anunciar que vai encaminhar a esta Casa uma PEC para parcelar compulsoriamente precatórios. Rolar dívida de um ano para o outro para abrir espaço fiscal tem nome no Brasil, o nome disso é pedalada. Isso já gerou o impeachment de uma presidente da República, e agora o governo resolveu constitucionalizar a pedalada”, afirmou, em discurso no plenário. “Isso é inadmissível, isso é pedalada, isso é crime de responsabilidade hoje. Isso é calote.”

Ainda sobre a PEC dos precatórios, Ramos disse que o governo vai dar o calote nos professores, já que parte dessas dívidas se refere ao extinto Fundo de Manutenção e Desenvolvimento do Ensino Fundamental e de Valorização do Magistério (Fundef). Uma lei aprovada no Congresso estabeleceu que 60% desses precatórios devem ser obrigatoriamente aos profissionais de educação. Segundo Ramos, dos R$ 219 milhões devidos ao Amazonas, R$ 131,4 milhões pertencem aos professores.

“É preciso chamar credores e fazer acordos, isso depende da concordância da outra parte”, afirmou Ramos. “O governo não pode impor parcelamento e fazer pedalada fiscal, dar calote nos professores brasileiros.”

Ramos disse ainda que a PEC representa uma tentativa de romper o teto de gastos de forma disfarçada. “Isso é quebrar compromisso de austeridade fiscal que firmamos no passado, fundamental para dar sustentação à economia.”

Publicidade