31 de maio de 2020 Atualizado 07:32

8 de Agosto de 2019 Atualizado 13:56
MENU

Compartilhe

Economia

Isenção de tarifas aos EUA e expectativa de Selic menor levam a ganho na B3

Por Agência Estado

12 Maio 2020 às 11:30 • Última atualização 12 Maio 2020 às 12:01

A alta do petróleo, o anúncio de que a China isentará mais produtos norte-americanos de tarifas punitivas durante o avanço das tensões comerciais sino-americanas e o reforço de novo corte do juro básico no Brasil previsto em junho permitem ganho ao Ibovespa. Em Nova York, contudo, o sinal é misto, após abertura em alta. O cenário ainda é de cautela, o que tende a limitar a expectativa de elevação das bolsas ao longo do dia, haja vista o temor de nova onda de infecções pelo novo coronavírus em partes da Europa e da Ásia, além da própria incerteza relacionada ao debate comercial entre as duas maiores potências do globo.

“Nem tudo está resolvido, os investidores continuam atentos às tensões comerciais, já que o governo de Donald Trump está tentando bloquear os investimentos em ações chinesas por um fundo de pensão do governo”, observam em nota os analistas da Rico Investimentos. Apesar da alta de 3% do minério de ferro na China hoje, as ações da Vale na B3 avançavam em torno de 1%.

No Brasil, prossegue a preocupação com o avanço da pandemia e do número de mortes, além das consequências sociais e econômicas. Esse temor, de certa forma, foi retratado pelo Banco Central (BC) na ata do Comitê de Política Monetária (Copom) da semana passada, quando cortou a Selic de 3,75% para 3,00%, e indicando novo recuo dessa magnitude em junho.

Hoje, o BC estimou que uma recuperação econômica após o pico da pandemia pode ser mais gradual do que a esperada e “caracterizada por idas e vindas”.

Conforme a autoridade monetária, os poucos dados disponíveis de abril já mostram “evidência suficiente de que a economia sofrerá forte contração no segundo trimestre deste ano”. A expectativa do BC é de forte contração do Produto Interno Bruto (PIB) na primeira metade de 2020. “A sinalização de uma nova queda é bem-vinda, e isso está ajudando a Bolsa”, afirma um operador.

Também hoje mais um indicador de atividade brasileiro reforçou o desaquecimento. O volume de serviços prestados caiu 6,9% em março ante fevereiro, depois de ceder 1,0%. Vale lembrar que o dado de serviços ainda pode piorar, por conta dos impactos da pandemia, que tendem a afetar mais a atividade e o mercado de trabalho. Números do Ministério da Economia, mostraram que 758 mil trabalhadores pedirem seguro-desemprego em abril – alta de 22,1% com relação ao mesmo mês de 2019 e de 39,4% ante março de 2020.

Mesmo com o avanço de infectados por covid-19, o presidente Jair Bolsonaro incluiu ontem as categorias de salões de beleza, barbearia e academia de ginástica na lista de serviços essenciais durante a pandemia. No entanto, cita a Rico, governadores, que são responsáveis pelas regras de isolamento social em seus Estados, resistem a seguir a nova definição.

As ações do setor financeiro sobem na B3, de forma moderada, mas o destaque são os papéis de consumo: Lojas Renner avançava 4,7% e Hering quase 6%, perto das 11 horas. O Ibovespa subia 1,21%, aos 80.022,64 pontos.

Já a alta do petróleo, diante de expectativas de corte na produção em junho pela Arábia Saudita, beneficia as ações da Petrobras e, quem sabe fazer com que o Ibovespa se sustente nos 80 mil pontos.

“O que não pode é cair para os 75 mil pontos, pois aí a tendência tende a ser de decline”, diz o economista do ModalMais, Álvaro Bandeira. Os papéis PN tinham ganhos de 1,71% e os ON, de 1,31%.