13 de junho de 2024 Atualizado 20:59

Notícias em Americana e região

8 de Agosto de 2019 Grupo Liberal Atualizado 13:56
MENU

Publicidade

Compartilhe

Economia

Ibovespa cai 1,73% na sessão, maior baixa desde setembro; no ano, cede 10%

Por Agência Estado

07 de junho de 2024, às 23h23

Após o alívio visto no Ibovespa ontem, quando subiu 1,23% e registrou maior ganho desde 26 de abril, o índice voltou a terreno negativo nesta sexta-feira, o que decretou perda também na semana, a terceira consecutiva. Hoje, oscilou entre mínima de 120.679,06 (-1,81%), do fim da tarde, e máxima na abertura a 122.898,80 pontos, com giro a R$ 21,7 bilhões na sessão. No fechamento, marcava baixa de 1,73%, a 120.767,19 pontos, acumulando perda de 1,09% na semana e neste começo de mês – no ano, cede agora 10,00%. O nível de fechamento desta sexta-feira ainda é o menor desde 13 de novembro passado, então aos 120.410,17 pontos. A perda desta sexta-feira foi também a maior desde 21 de setembro (-2,15%)

No meio da tarde, também com a retomada de ruídos em torno da situação fiscal doméstica, o Ibovespa passou a acentuar mínimas da sessão, mais do que devolvendo os ganhos do dia anterior, que haviam colocado o índice em terreno positivo na semana. A reversão começou ainda cedo, com os dados oficiais sobre o mercado de trabalho americano, o ponto mais aguardado da agenda da semana.

“Hoje, a curva de juros aqui e em Nova York abriu em todos os vértices, com a surpresa no número de empregos gerados nos Estados Unidos. Aumentou o receio de que a taxa de juros americana permaneça alta por mais tempo, para segurar a inflação”, observa Inácio Alves, analista da Melver, destacando as retiradas de recursos estrangeiros acumuladas desde o início do ano na B3, a R$ 37 bilhões, com as constantes revisões sobre onde estará a taxa livre de risco ao fim de 2024.

Para a reunião de política monetária do Federal Reserve em setembro, dados da plataforma CME nesta tarde mostravam divisão do mercado quanto à possibilidade de início do corte de juros naquele mês: 50,8% de chance para redução em setembro e 49,2%, de manutenção. Além disso, o mercado volta a ver, com mais força, a possibilidade de vir apenas um corte na taxa de referência do Fed em 2024 – e o risco de não haver corte algum também subiu, de 5,5% para 14%, mostra a CME.

Assim, desde a manhã, a decepção com os dados do payroll – com geração de vagas e ganho salarial acima do esperado para maio – manteve os ativos brasileiros sob pressão nesta última sessão da semana, com Ibovespa em baixa, juros e câmbio em alta. A piora do Ibovespa se fez acompanhar, à tarde, pela acentuação de perdas em Petrobras, na ON como também na PN, ambas em renovação de mínimas do dia. No fechamento, a ON marcava -3,38% e a PN, -3,75%, em correção bem superior ao moderado ajuste negativo do petróleo nesta sexta-feira.

Vale ON, por sua vez, cedeu hoje 1,31% e acumulou queda de 4,41% na semana – uma correção pouco menor do que a de Petrobras ON (-5,18%) e PN (-4,77%) no intervalo. Entre os grandes bancos, segmento também de peso no Ibovespa, as perdas ficaram entre 0,77% (Bradesco PN) e 1,70% (BB ON) na sessão – na semana, contudo, apenas Santander (Unit -1,69%) mostrou retração. Apenas sete das 86 ações do Ibovespa fecharam o dia em alta, com Embraer (+4,04%), São Martinho (+2,76%) e Marfrig (+1,09%) à frente. No lado oposto na sessão, LWSA (-8,46%), Magazine Luiza (-7,56%) e MRV (-6,02%)

Desde 16 de maio, foram apenas três ganhos para o Ibovespa – os dois iniciais, de apenas 0,20% e 0,15% – em longo intervalo que chega hoje a 16 sessões. A vazante conduziu o Ibovespa a estender a série negativa: nas últimas cinco semanas, o índice avançou em apenas uma, e pouco (+0,43%), entre 13 e 17 de maio. Hoje, a decepção em torno do relatório sobre o emprego nos Estados Unidos fez com que o Ibovespa operasse em baixa desde a abertura.

“A média móvel de três meses na geração de vagas de trabalho voltou a crescer – dados nada positivos quando se espera redução de juros nos EUA”, aponta Gustavo Sung, economista-chefe da Suno, destacando também a evolução do salário médio por hora trabalhada, em alta de 0,4% na variação mensal e de 4,1% em 12 meses – ou seja, mais do que o dobro da meta oficial de inflação nos EUA, de 2% ao ano. Para Sung, a leitura de hoje do payroll “frustra expectativa de cortes de juros no terceiro trimestre” nos Estados Unidos, o que deve resultar em revisão de cenário para a política monetária americana.

“Isso impacta principalmente os países emergentes, que têm visto saída do fluxo estrangeiro, mantendo-se assim o pessimismo”, diz Andre Fernandes, head de renda variável e sócio da A7 Capital, destacando em especial a pressão sobre o câmbio, que fechou hoje com o dólar à vista cotado a R$ 5,32, em alta de 1,41% na sessão. “O estresse deve se manter caso o dado de inflação nos EUA, na próxima quarta-feira, venha também forte e pior que o esperado pelo mercado.”

Ainda assim, após um encerramento de semana bastante negativo para o Ibovespa, as expectativas para as ações no curtíssimo prazo se mostraram positivas, segundo o Termômetro Broadcast Bolsa desta sexta-feira. Entre os participantes, a previsão de que a próxima semana será de ganhos para o índice disparou a 71,43%, de 25,00% na pesquisa anterior. As estimativas de estabilidade e queda têm, cada, fatia de 14,29%. No último Termômetro, as projeções eram, respectivamente, de 25,00% e 50,00%.

Publicidade