26 de maio de 2024 Atualizado 20:10

Notícias em Americana e região

8 de Agosto de 2019 Grupo Liberal Atualizado 13:56
MENU

Publicidade

Compartilhe

Economia

Campos Neto: País tem potencial muito maior para atrair fluxo financeiro que o visto até agora

Por Agência Estado

17 de abril de 2024, às 18h11

O presidente do Banco Central, Roberto Campos Neto, disse nesta quarta-feira, 17, que o Brasil tem potencial muito maior para atrair fluxos financeiros internacionais do que o visto até agora. De acordo com ele, os investimentos internacionais em greenfield estão sendo mais direcionados para o México e para a Ásia, em especial o Vietnã.

“Enfrentamos muitos desafios globais e, quando olhamos o fluxo que vai para o Brasil, você vê grandes quantias indo para alimentos e energia limpa, mas quando olhamos para projetos de greenfield, esperamos ver mais a partir de agora”, disse. “Ainda estamos em um processo lento. Temos muito mais potencial do que o visto até agora”, considerou Campos Neto, em um rápido vídeo gravado para o canal do Fundo Monetário Internacional (FMI), em Washington, nos Estados Unidos.

Segundo o presidente do BC, o Brasil está em posição de vantagem no processo de reorganização das cadeias produtivas globais justamente porque o País tem um enorme potencial de produzir energia limpa, uma enorme força de trabalho e um enorme mercado interno. “Se você é uma empresa da Europa ou de qualquer outro lugar, pode produzir no Brasil com um resultado muito mais limpo”, comparou.

Sobre a contaminação dos mercados, Campos Neto destacou que o Brasil é um dos grandes produtores agrícolas do mundo e citou o cultivo de soja, em especial. Ele lembrou que se houvesse uma quebra na cadeia produtiva, o que quase aconteceu no início da invasão da Ucrânia porque o País estava com dificuldades de comprar fertilizantes, seria algo muito negativo. “Falei com algumas pessoas que, sem conseguir comprar fertilizantes, o preço da soja no mundo iria subir muito”, rememorou.

O presidente do BC mencionou também o papel do País para a América Latina, em função do tamanho de sua economia. Ele salientou que houve um comércio muito maior com a Argentina, que agora assistiu à diminuição de sua economia. “Queremos que a Argentina volte, que volte a crescer e ajude a empurrar a expansão brasileira”, comentou.

Publicidade