17 de junho de 2024 Atualizado 18:09

Notícias em Americana e região

8 de Agosto de 2019 Grupo Liberal Atualizado 13:56
MENU

Publicidade

Compartilhe

Brasil e Mundo

Bolsas da Europa fecham em baixa, com incerteza política; Paris cai à mínima desde fevereiro

Por Agência Estado

11 de junho de 2024, às 14h17

As bolsas da Europa fecharam em baixa em mais uma sessão seguindo o resultado eleitoral para o Parlamento Europeu e suas repercussões, inclusive na política de importantes estados membros. A incerteza política se somou a uma série de declarações de dirigentes do Banco Central Europeu (BCE), que reforçaram a visão de que os cortes de juros na região serão dependentes da divulgação de dados.

O apetite por risco continua limitado após o presidente da França, Emmanuel Macron, decidir antecipar as eleições legislativas em reação à derrota de seu partido para a extrema direita nas eleições parlamentares da União Europeia, encerradas no último fim de semana

“Sabíamos em janeiro que 2024 seria um grande ano para eleições, mas a incerteza política ainda conseguiu acumular-se nas preocupações do mercado. Esta semana está se revelando um turbilhão para quem tenta entender a política europeia e o espetáculo apenas começou”, afirma Russ Mold, diretor de investimentos da AJ Bell.

Neste cenário, o índice CAC 40, de Paris, encerrou em queda de 1,33%, a 7.789,21 pontos. Na mínima do dia, o índice atingiu menor valor desde 20 fevereiro deste ano.

A presidente do BCE, Christine Lagarde, alertou que os juros da zona do euro poderão ficar inalterados por mais uma de reunião, após o corte de 25 pontos-base anunciado na semana passada, uma vez que mais dados, em especial sobre salários, precisam ser monitorados. O tom foi o mesmo utilizado por outros dirigentes, como o economista-chefe do BCE, Philip Lane, que afirmou que não há nenhum caminho pré-determinado para as taxas.

Após a publicação de dados de emprego, o ING avalia que o mercado de trabalho do Reino Unido está agora arrefecendo visivelmente, e “isso torna ainda mais surpreendente que os mercados financeiros estejam prevendo uma probabilidade de apenas 7% de um corte nas taxas na próxima semana e apenas 46% para a reunião de agosto”. O banco acredita que um corte nas taxas no verão do Hemisfério Norte é muito mais provável, possivelmente já na reunião de agosto.

Há expectativa também para o anúncio de política monetária do Federal Reserve (Fed, o banco central norte-americano), na quarta-feira, 12. O BC dos EUA provavelmente deixará seus juros básicos inalterados pela sétima vez consecutiva, mas publicará gráfico com projeções. Também na quarta-feira, horas antes da decisão do Fed, será conhecido o CPI (na sigla em inglês) dos EUA referente a maio.

Entre as empresas, as ações de grandes mineradoras tiveram baixas, após os futuros de uma série de commodities sofrerem quedas. Em Londres, BHP (-2,92%), Glencore (-2,15%) e Rio Tinto (-1,98%) recuaram. Na cidade, o FTSE 100 caiu 0,98%, 8.147,81 pontos. Em Frankfurt, o DAX recuou 0,66%, a 18.372,39 pontos. Em Milão, o FTSE MIB teve queda de 1,93%, a 33.874,48 pontos. Em Madri, o Ibex35 baixou 1,60%, a 11.175,50 pontos. Em Lisboa, o PSI 20 caiu 1,41%, a 6.634,71 pontos. As cotações são preliminares.

Publicidade