22 de maio de 2024 Atualizado 21:48

Notícias em Americana e região

8 de Agosto de 2019 Grupo Liberal Atualizado 13:56
MENU

Publicidade

Compartilhe

Economia

Bolsas da Europa fecham em alta, com recuperação após perdas, e divulgação de CPIs e balanços

Por Agência Estado

17 de abril de 2024, às 18h11

As bolsas da Europa fecharam em alta nesta quarta-feira, 17, em sessão com recuperação após a queda acima de 1% que os índices sofreram na terça-feira, em um cenário de aversão a riscos por conta das tensões geopolíticas. Nesta quarta, dados de inflação na zona do euro e no Reino Unido foram divulgados, o que, no caso do bloco europeu, apontou o índice de preços ao consumidor (CPI, na sigla em inglês) a caminho da meta do Banco Central Europeu (BCE). O dia contou ainda com a divulgação dos balanços de importantes empresas.

O índice pan-europeu Stoxx 600 fechou em alta de 0,17%, a 499,08 pontos.

Mais cedo, foi confirmado que a taxa anual do CPI da zona do euro desacelerou para 2,4% em março, ficando mais próxima da meta de 2% perseguida pelo BCE. De modo geral, os dados desta quarta confirmam que a tendência de desinflação apoia expectativas de um corte em junho, avalia a Oxford Economics.

A consultoria também aponta que a presidente do BCE, Christine Lagarde, não sinalizou que a inflação de serviços, que segue elevada, pudesse ser motivo suficiente para adiar os cortes. Em Frankfurt, o DAX subiu 0,12%, a 17.786,99 pontos, enquanto o FTSE MIB avançou 0,72%, a 33.632,71 pontos, em Milão.

Já no Reino Unido, o CPI anual diminuiu para 3,2% em março, mas ficou acima do esperado, o que reduz as chances de o Banco da Inglaterra (BoE, na sigla em inglês) também cortar juros em junho, segundo a Capital Economics.

Da temporada de balanços europeus, a LVMH registrou alta orgânica anual de 3% nas vendas no primeiro trimestre, e a ação da gigante de artigos de luxo saltou 2,84% em Paris, onde o CAC 40 avançou 0,62%, a 7.981,51 pontos.

Já a mineradora anglo-australiana Rio Tinto agradou com os últimos números de produção, e sua ação avançou 2,55% em Londres, onde o FTSE 100 subiu 0,35%, a 7.847,99 pontos.

Ali ainda, o HSBC subiu 0,60%, em dia que saiu a notícia da Reuters de que o banco está planejando cortar cerca de 20 empregos em bancos de investimento na Ásia devido a resultados ruins nos negócios, o que resultará em um total de 30 demitidos nesta semana.

A Reuters reportou ainda que o Santander anunciou a abertura de uma nova unidade de negócios hipotecários na Alemanha e planeja cortar cerca de 500 empregos até o final de 2026 no país. A medida faz parte de um esforço para se concentrar em atividades mais rentáveis, mas não resultará na redução da rede de agências. A ação do banco espanhol subiu 1,40% em Madri, onde o Ibex 35 teve alta de 1,02%, a 10.633,90 pontos. Ainda na Península Ibérica, o PSI 20 subiu 0,16%, a 6.234,41 pontos, em Lisboa.

Por outro lado, a ação da ASML tombou 6,68%% em Amsterdã, após a companhia holandesa – que produz equipamentos para fabricantes de chips – decepcionar com o resultado de encomendas dos primeiros três meses do ano.

Publicidade