Apesar de alta externa, Ibovespa cai, mas tendência segue positiva


O Ibovespa iniciou o dia aquém dos 115 mil pontos e segue nessa dinâmica, sem muito fôlego, porém caminha para fechar a segunda semana consecutiva de alta. Até o momento, acumula valorização acima de 1,8%. O moderado ganho das bolsas internacionais, novos dados da economia brasileira e algumas notícias corporativas ajudam a limitar a perda, mas o investidor começa a se preparar as festas do fim do ano.

“O movimento hoje é moderado, já que lá fora está meio devagar, mas o rali de fim de ano deve continuar”, prevê Luiz Roberto Monteiro, operador da mesa institucional da Renascença DTVM.

Ontem, o índice subiu 0,71%, aos 115.131,25 pontos, renovando máxima pelo terceiro dia seguido. “Passa por um pequeno ajuste, mas a tendência continua positiva”, diz uma fonte.

Depois do Caged de novembro acima do esperado ontem, hoje dois indicadores reforçaram sinais da retomada econômica. De acordo com a Fundação Getulio Vargas (FGV), tanto o índice da confiança da construção (+3,3 pontos) quanto o do consumidor (+2,7 pontos) subiram em dezembro.

“Por aqui, a agenda de hoje reforçou a melhora de ambiente, com novas altas dos indicadores de confiança”, escreveu em nota o economista Silvio Campos Neto, sócio da Tendências Consultoria Integrada.

Hoje, o Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo – 15 (IPCA – 15) acelerou a 1,05% em dezembro ante 0,14% em novembro (previsões de 0,65% a 1,08%, com mediana de 0,96%). “Sinais que favorecem as apostas de fim do ciclo de corte da Selic”, diz Campos Neto. Porém, a taxa anual fechou em 3,91% (3,86% em 2018). O IPCA-15 de 2019 ficou aquém do centro da meta de 4,5%, o que indica quadro inflacionário tranquilo.

Grande parte do avanço mensal do IPCA-15 foi puxado pelo encarecimento de carnes, algo que é considerado por economistas e pelo próprio Banco Central como passageiro, sem incomodar o andamento da política monetária. Entretanto, o quadro deve continuar cauteloso quanto ao Comitê de Política Monetária (Copom), sobretudo de fevereiro diante de estimativa de avanço da atividade.

No campo corporativo, a atenção deve recair principalmente em Petrobras. A empresa informou que aprovou os termos finais de acordo com a Sete Brasil. Também informou que não faltará combustível marítimo para abastecer mercado local com o insumo em 2020. Além disso, a companhia pagará a primeira parcela de bônus de Búzios à ANP, no valor de R$ 34,420 bilhões.

Às 12h45, o Ibovespa caía 0,48%, aos 114.578,17 pontos.

LIBERAL VIRTUAL Acesse agora