19 de setembro de 2021 Atualizado 11:57

8 de Agosto de 2019 Atualizado 13:56
MENU

Publicidade

Compartilhe

Cotidiano

Polícia investiga morte de vereador de Duque de Caxias (RJ)

Por Agência Estado

13 set 2021 às 18:58 • Última atualização 13 set 2021 às 20:52

O vereador de Duque de Caxias (Baixada Fluminense) Joaquim José Santos Alexandre, de 66 anos, assassinado a tiros na noite de domingo, 12, em São João de Meriti, também na Baixada Fluminense, foi enterrado no final da tarde desta segunda-feira, 13, no cemitério Nossa Senhora das Graças, no Parque Beira-Mar, em Duque de Caxias.

Quinzé foi morto quando ia visitar uma amiga. Ele parou o carro na avenida Estácio de Sá, no Parque Novo Rio, e assim que saiu do veículo foi atingido por tiros disparados a partir de um carro branco, que conseguiu fugir. O vereador morreu no local.

Quinzé começou a carreira política em 2004, após encerrar a de policial militar – ele chegou à patente de sargento. Naquela primeira eleição, concorreu pelo PP e foi eleito com 5.105 votos. Em 2008 teve mais votos (5.357), mas concorria pelo PTC e não conseguiu se eleger. Em 2012, pelo então PMDB (hoje MDB), elegeu-se com 4.007 votos. Em 2016, obteve 2.942 votos e não conseguiu se eleger pelo PSD. Em 2020, concorrendo pelo PL, teve 2.364 votos e conseguiu seu terceiro mandato.

Em 2004 Quinzé foi denunciado por porte ilegal de arma, por estar com uma pistola 9 mm não registrada, e chegou a ser condenado a quatro anos e seis meses de prisão. Em 2008, foi atacado a tiros na porta de sua casa, no bairro Olavo Bilac. Atingido numa das pernas e nas costas, ele sobreviveu.

A morte do vereador é investigada pela Delegacia de Homicídios da Baixada Fluminense, que ainda não informou sobre eventuais linhas de investigação. A vaga do vereador será ocupada por Elson da Batata, também do PL.

Em 10 de março deste ano, outro vereador de Duque de Caxias foi morto: Danilo Francisco da Silva, o Danilo do Mercado (MDB), de 53 anos, foi assassinado a tiros junto com o próprio filho, Gabriel, de 25 anos. A Polícia Civil ainda investiga o caso.

Publicidade