02 de agosto de 2020 Atualizado 21:32

8 de Agosto de 2019 Atualizado 13:56
MENU

Compartilhe

Rio de Janeiro

PF não vê omissão de gestores e descarta crime no incêndio do Museu Nacional

Laudo aponta que fogo provavelmente foi causado por curto-circuito em um dos aparelhos de ar condicionado

Por Agência Estado

06 jul 2020 às 13:12 • Última atualização 06 jul 2020 às 14:07

A Polícia Federal (PF) encerrou nesta segunda-feira, 6, a investigação sobre o incêndio que destruiu boa parte do acervo do Museu Nacional da Quinta da Boa Vista, no Rio de Janeiro, em setembro de 2018.

Após quase dois anos de investigação, a perícia técnica-criminal da PF confirmou que fogo começou no auditório Roquette Pinto, localizado no térreo, provavelmente causado por curto-circuito em um dos aparelhos de ar condicionado. O laudo pericial descartou a hipótese de incendiarismo ou ação criminosa.

Segundo a investigação, em agosto de 2015, o Corpo de Bombeiros havia iniciado uma fiscalização no prédio, que não foi concluída. O oficial responsável pela inspeção foi punido administrativamente.

Com base nas provas colhidas, a PF também descartou omissão da ex-diretora do museu Cláudia Rodrigues e do reitor da Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ), Roberto Leher. Isso porque, antes do incêndio, os dois iniciaram tratativas com o Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES) para revitalizar o prédio – alegando, entre outros motivos, adequação ao Código de Segurança contra Incêndio e Pânico. O contrato foi assinado em junho de 2018, mas o valor não foi desembolsado antes do sinistro.

O incêndio de grandes proporções começou na noite do domingo, dia 2 de setembro de 2018, e só foi controlado no fim da madrugada de segunda-feira. A maior parte do acervo, de cerca de 20 milhões de itens, foi totalmente destruída. Desde então, mais R$ 72 milhões foram liberados para reconstrução do prédio bicentenário.