26 de maio de 2024 Atualizado 12:01

Notícias em Americana e região

8 de Agosto de 2019 Grupo Liberal Atualizado 13:56
MENU

Publicidade

Compartilhe

Cotidiano

Pesquisadores da USP criam mapa interativo com sítios arqueológicos de SP

Ferramenta fornece um panorama sobre os vestígios de materiais associados aos povos indígenas nos cerca de 2 mil sítios arqueológicos do Estado

Por Agência Estado

15 de maio de 2024, às 10h34 • Última atualização em 15 de maio de 2024, às 11h47

Mapa mostra a diversidade de povos que habitavam São Paulo - Foto: Reprodução

Pesquisadores da Universidade de São Paulo (USP) criaram o primeiro mapa que exibe os sítios arqueológicos em todo o Estado de São Paulo. A ferramenta fornece um panorama sobre os vestígios de materiais associados aos povos indígenas nos cerca de 2 mil sítios arqueológicos do Estado.

Segundo o coordenador do projeto de pesquisa e professor do Museu de Arqueologia e Etnologia da Universidade de São Paulo (MAE/USP), Astolfo Gomes de Mello Araujo, o mapa mostra a diversidade de povos que habitavam São Paulo.

O Estado é um espaço de confluência de diferentes grupos humanos. Há aqueles vindos da região Central, pelo Mato Grosso, do Sudeste, por Minas Gerais, e também do Sul, a partir do Paraná. A mistura de biomas do Estado atraiu diferentes povos e resultou em uma riqueza de culturas na região, explica Araujo.

Um dos aspectos da diversidade que o mapa permite visualizar é a afinidade entre grupos indígenas. Perto da fronteira ao norte do Estado, por exemplo, materiais de tradição Tupiguarani e Aratu estão muito próximos uns dos outros. Mas, na outra ponta de São Paulo, os sítios arqueológicos Tupiguarani estão bastante afastados dos Itararé-Taquara.

Em dois cenários tão distintos, Araujo questiona se no norte paulista as duas tradições conviviam de forma harmoniosa com troca de cultura, ensinamento e aprendizados, enquanto no sul havia maior hostilidade entre Tupiguarani e Itararé-Taquara.

Essa é um dos inúmeros caminhos para formular hipóteses abertos pelo mapa, defende Araujo “É como se você chegasse no topo de uma montanha e de lá percebesse que há outras montanhas para serem exploradas”, diz o professor.

Facilitar que os alunos criem novas perguntas, aliás, é um dos objetivos da transformação dos dados em imagem. Um mapa, defende Araujo, permite processar as informações de forma melhor mais completa do que planilhas de Excel, por exemplo.

Além do nome do sítio arqueológico, o mapa criado pela equipe do MAE contém informações sobre o tipo de material, a tradição indígena e a datação. Há também uma referência de trabalho produzido a respeito, caso surja interesse para procurar mais sobre um sítio arqueológico em específico.

O mapa mostra, por exemplo, se o material encontrado em questão é cerâmica ou lítico, o que pode indicar a idade do sítio arqueológico. O lítico é mais antigo do que a cerâmica.

O trabalho usou mais de 2 mil entradas de dados de tese de doutorados e outros artigos recentes. O próximo passo será realizar o mesmo trabalho no Paraná. O mapeamento faz parte de um grande projeto de pesquisa multidisciplinar com financiamento da Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado de São Paulo (Fapesp).

Falta de dados

De acordo com Araujo, outra vantagem do mapa é permitir visualizar onde também não há dados.

O mapa produzido pela equipe do MAE mostra dois grandes vazios de dados, que juntos somam 13% da área do Estado. Um deles toma todo o Vale do Tietê e se estende até o Rio Paraná, enquanto o outro fica mais ao sul do Estado e compreende o vale do Rio Peixe.

Araujo explica que o motivo da falta de dados é que ainda não há trabalhos sobre aquela área. “Nenhum arqueólogo ainda andou por ali”, explica. Ele classificou a condição de falta de dados como “absurda”, já que São Paulo é o Estado mais populoso e com maior PIB do País, conforme dados do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE).

Para 166 sítios arqueológicos de São Paulo, não havia dados sobre uma filiação cultural, ou seja, não se sabe a tradição que havia na área. Na avaliação do professor do MAE, a falta de informações sobre a filiação cultural é pior do que a ausência total de dados. No caso de não haver tradição, já foram gastos recursos, mas ainda assim será necessário reencontrar e reestudar os do sítio arqueológico para definir a designação cultural.

O sítio arqueológico de Morumbi

Entre os pontos marcados no mapa está o sítio arqueológico de Morumbi, o mais antigo da capital paulista. Lá a equipe do MAE/USP, da qual Araujo fazia parte, encontrou um carvão de 3.800 anos, resultado da atividade humana. A peça, provavelmente, está relacionada a atividades com fogo gerado para esquentar a pedra e, assim, permitir seu molde ou cozinhar ou aquecer as pessoas contra o frio.

O espaço funcionava como uma espécie de pedreira para povos caçadores e coletores. Eles extraiam pedra lascada para produzir ferramentas. Pelo seu Estado de preservação, o local representa um caso único na capital.

Araujo esteve envolvido em trabalhos arqueológicos na antiga pedraria desde a década de 1990, quando relocalizou a área e pôde constatar que, de fato, se tratava de um sítio arqueológico. Mas a história do sítio começou em 1960. Na época, o engenheiro Caspar Hans Luchsinger encontrou objetos de pedra lascada durante o loteamento e arruamento de um dos bairros de Morumbi. As descobertas, entretanto, ficaram 30 anos esquecidas.

Publicidade