06 de março de 2021 Atualizado 19:05

8 de Agosto de 2019 Atualizado 13:56
MENU

Publicidade

Compartilhe

Cotidiano

Municípios de SP têm até 72h para preencher dados sobre aplicação da vacina

Nesta semana, a Alesp aprovou a aplicação de multas a quem receber ou aplicar a vacina de forma irregular

Por Agência Estado

12 fev 2021 às 13:50 • Última atualização 12 fev 2021 às 14:43

Segundo o secretário, os municípios que descumprirem o prazo estão sujeitos a autuação pela vigilância sanitária - Foto: Governo do Estado de SP

O secretário estadual de Saúde de São Paulo, Jean Carlo Gorinchteyn, afirmou nesta sexta-feira, 12, que os municípios paulistas que até o momento não preencheram os dados sobre aplicação da vacina contra a covid-19 na plataforma VaciVida têm até 72h para que façam a atualização. O registro inclui dados pessoais sobre a quem foi aplicada a vacina, a fim de que se faça o controle dos beneficiados.

Segundo o secretário, os municípios que descumprirem o prazo estão sujeitos a autuação pela vigilância sanitária. Nesta semana, a Assembleia Legislativa do Estado de São Paulo (Alesp) aprovou a aplicação de multas a quem receber ou aplicar a vacina de forma irregular. O projeto de lei aguarda sanção do governador.

Interrupção

Gorinchteyn afirmou também que “enquanto tivermos número limitado de doses de vacina, teremos que limitar a velocidade com que processo vacinal acontece”. Com o estoque de vacinas perto do fim e sem previsão de recebimento de mais doses nos próximos dias, prefeituras de algumas capitais já preveem restringir a aplicação na próxima semana.

O secretário municipal da Saúde de São Paulo, Edson Aparecido, reconhece a escassez de doses e a necessidade de entrega de novos lotes, mas afirma que, na capital paulista, todos os públicos já anunciados estão com sua vacinação garantida.

Segundo Gorinchteyn, “estamos tendo responsabilidade de garantir que quem tomou a primeira dose, tenha direito de receber em até 28 dias a segunda dose”. “Adoraríamos completar a vacinação de público tão vulnerável”, afirmou.

Publicidade