14 de junho de 2024 Atualizado 14:36

Notícias em Americana e região

8 de Agosto de 2019 Grupo Liberal Atualizado 13:56
MENU

Publicidade

Compartilhe

Cotidiano

Ministério das Cidades ainda busca levantar número de moradias perdidas no Rio Grande do Sul

Por Agência Estado

04 de junho de 2024, às 16h55

Um mês após o início das enchentes que têm devastado o Rio Grande do Sul, ainda não há um balanço confiável sobre a quantidade de casas perdidas, o que dificulta a articulação de um plano de atendimento a quem ficou sem teto, afirmou, nesta terça-feira, 4, o ministro das Cidades, Jader Filho.

Segundo ele, apenas 77 dos cerca de 400 municípios gaúchos afetados pelas chuvas repassaram ao Ministério os números dos danos sofridos. O balanço parcial é de 47 mil residências perdidas.

Além de faltarem informações da maioria das cidades, o ministro ponderou, ainda, que os dados levantados até aqui por alguns municípios podem estar superestimados. Ou seja: o dado de 47 mil residências perdidas não é seguro.

“A gente tem de ter muita paciência com essas prefeituras, porque elas ainda estão fazendo a defesa das cidades, mas também fazemos um apelo para enviarem informações o quanto antes puderem”, disse Filho.

“É muito importante para que a gente possa, por exemplo, fazer o pedido do crédito extraordinário, entender os valores, a quantidade de unidades habitacionais e quais são as soluções”, explicou o ministro durante entrevista coletiva à imprensa.

Na semana passada, o governo federal anunciou que comprará imóveis para repassar às famílias que ficaram sem moradia. Na largada, a previsão é de aquisição de 2 mil habitações voltadas, inicialmente, para Porto Alegre e para a região metropolitana.

Nesta semana, será publicada uma portaria do Ministério das Cidades permitindo que a Caixa Econômica Federal possa receber propostas de aquisição de imóveis usados tanto de imobiliárias, quanto de pessoas físicas, adiantou o ministro.

Jader Filho voltou a dizer que as ações do Ministério das Cidades incluem a aquisição e a reconstrução de moradias, leilões, novas seleções do Minha Casa Minha Vida (MCMV), entre outras medidas. “Não há uma solução única”, enfatizou.

O ministro concedeu entrevista aos jornalistas após participar de evento com empresários do mercado imobiliário organizado pela Associação Brasileira das Incorporadoras Imobiliárias (Abrainc), em São Paulo.

Publicidade