26 de maio de 2024 Atualizado 17:59

Notícias em Americana e região

8 de Agosto de 2019 Grupo Liberal Atualizado 13:56
MENU

Publicidade

Compartilhe

Cotidiano

Estudo mostra que mais da metade dos brasileiros acessam redes de má qualidade

Por Agência Estado

16 de abril de 2024, às 22h21

Um novo estudo sobre conectividade no Brasil revelou que cerca de 57% dos brasileiros que têm acesso a uma rede usam internet de baixa qualidade. A pesquisa, realizada pelo Núcleo de Informação e Coordenação do Ponto BR (NIC.br), braço executivo do Comitê Gestor da Internet no Brasil (CGI.br), foi divulgada nesta terça-feira, 16, e destrinchou o cenário de conexão de internet no País.

De acordo com o estudo, chamado “Conectividade Significativa: propostas para medição e o retrato da população no Brasil”, houve uma alta no número de pessoas que acessam a internet no Brasil: agora, 84% da população têm internet em casa ou em algum dispositivo móvel e acessam a web pelo menos uma vez ao dia.

Mas apenas uma pequena fatia tem nas mãos uma internet que é considerada pelo órgão como satisfatória, ou seja, que atende a critérios como velocidade similar ao 4G, dispositivo inteligente, conexão fixa e frequência de uso.

Foram considerados no estudo algumas variáveis para construir um placar de 0 a 9, onde quanto mais perto de 9 maior a qualidade da conexão. Nessa relação, cerca de 57% da população se encontra na faixa mais baixa da pesquisa, com pior qualidade de rede. Aproximadamente 20% estão na faixa intermediária e apenas 22% estão na parcela considerada adequada.

“A complexidade do cenário atual, marcado por rápidos avanços tecnológicos, têm exigido um alargamento da compreensão sobre inclusão digital. Considerar o nível de conectividade de um país pela quantidade de usuários de Internet entre seus habitantes não é mais suficiente. Os debates mais recentes no Brasil e no exterior sobre a questão enfatizam a necessidade de pensar na conectividade de maneira abrangente”, destaca Alexandre Barbosa, gerente do Cetic.br/NIC.br.

A situação também varia por regiões no Brasil. No sudeste, por exemplo, 31% das pessoas têm acesso a internet considerada satisfatória, enquanto no nordeste do país, esse mesmo índice é de apenas 10%. O sul do país fica com 27% da população nessa faixa, enquanto no norte, apenas 11% acessam uma rede estável.

Apesar de ainda não significar uma melhora expressiva, os índices encontrados no estudo são um avanço em relação a anos anteriores. A análise retrospectiva identificou uma redução na diferença entre os dois extremos presentes no estudo. Em 2017, por exemplo, apenas 10% da população tinha uma internet considerada de qualidade.

“Esse quadro sugere uma tendência positiva, mas ainda que tenha sido detectada uma melhora progressiva, é preciso celeridade para reduzir as disparidades de conectividade no Brasil, que são reflexo direto das desigualdades que marcam a estrutura social do país”, alerta Graziela Castello, coordenadora de estudos setoriais no Cetic.br e responsável pelo levantamento.

S

Publicidade