21 de maio de 2024 Atualizado 00:12

Notícias em Americana e região

8 de Agosto de 2019 Grupo Liberal Atualizado 13:56
MENU

Publicidade

Compartilhe

Brasil e Mundo

Correnteza levou metade de cidade embora: ‘Não sobrou um único tijolo’

Por Agência Estado

16 de maio de 2024, às 07h24 • Última atualização em 16 de maio de 2024, às 09h44

Um levantamento prévio realizado pela prefeitura aponta a destruição de aproximadamente mil casas pela enchente que atingiu a cidade de Cruzeiro do Sul, no Vale do Taquari, Rio Grande do Sul, no início deste mês. De acordo com o secretário municipal de Obras, Paulo Nascimento, metade da cidade foi praticamente arrasada. “Estamos juntando os cacos para nos reerguermos mais uma vez”, disse. Dos 12 mil habitantes, 5,2 mil ainda estão desabrigados ou desalojados, segundo a prefeitura. Nove pessoas morreram e outras nove estão desaparecidas.

A enchente no Rio Taquari atingiu 33 m, superando em quatro metros o recorde de um série histórica de 150 anos, de acordo com a MetSul, agência de informações meteorológicas do Rio Grande do Sul.

A forte correnteza levou tudo que estava numa faixa de até 150 metros do rio: casas, árvores, postes, veículos, animais e gente. “De muitas casas, não sobrou um único tijolo. Até o piso e o alicerce foram tirados pela força da água”, disse Nascimento.

Segundo a MetSul, as imagens aéreas da destruição em Cruzeiro do Sul mostram um cenário que pode ser comparado aos efeitos de um furacão de categoria 5, a escala máxima desses fenômenos, com ventos de 300 km/h a 400 km/h.

Na segunda, uma nova enchente, com quase 28 metros, voltou a atingir a área destruída. Algumas escolas que tinham voltado a funcionar suspenderam as aulas. A prefeitura considera quatro colégios destruídos pela enchente. Outros dois tiveram danos parciais. Cerca de 800 alunos estão tendo atividades em abrigos e outros espaços.

Cidade-irmã

Uma comitiva de Pomerode, cidade de Santa Catarina que “adotou” Cruzeiro do Sul e vai ajudar na reconstrução da cidade-irmã, visitou as áreas atingidas na segunda. “É uma situação dramática e inacreditável. Metade da cidade foi atingida e será preciso reconstruir cerca de mil casas. O pessoal está desolado”, disse Ércio Kriek (DEM), prefeito de Pomerode.

O prefeito de Cruzeiro do Sul, João Dullius (MDB), disse que vai adquirir ou desapropriar uma área para que os moradores que perderam as casas e tiverem condições iniciem rapidamente a nova construção.

“Nossa preocupação é agir rápido para que aquelas pessoas tenham algum consolo e alguma esperança”, disse. Ele reafirmou que a prefeitura não permitirá que a população volte a construir em regiões de risco para novas inundações do Taquari. “Temos de evitar a qualquer custo uma nova devastação”, disse. Essa nova área, de acordo com o prefeito, está localizada na Linha Primavera, em um ponto elevado e mais distante do rio.

As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.

Publicidade