24 de maio de 2024 Atualizado 00:47

Notícias em Americana e região

8 de Agosto de 2019 Grupo Liberal Atualizado 13:56
MENU

Publicidade

Compartilhe

Cotidiano

Cemaden emite alerta para risco de inundações e deslizamentos no RS

Por Agência Estado

12 de maio de 2024, às 08h41

Diante da previsão de chuva forte neste domingo, 12, em grande parte do Rio Grande do Sul, o Centro Nacional de Monitoramento e Alertas de Desastres Naturais (Cemaden) emitiu alertas para o risco de novas inundações e deslizamentos de terra no Estado. Até o momento, o Rio Grande do Sul registra 136 mortos em decorrência das inundações.

De acordo com o órgão, o Lago Guaíba receberá toda água que se desloca pelas Bacias dos Rios Jacuí, Taquari-Antas, Caí, Sinos e Gravataí, “agravando muito a situação da cidade de Porto Alegre”. O nível do Lago Guaíba se encontra em 4,58 m, já estando 1,58 m acima da sua cota de transbordamento.

Nas bacias hidrográficas dos Rios Jacuí, Taquari-Antas, Caí, Sinos e Gravataí, que já estão com níveis acima da cota de transbordamento também, são esperados novos eventos de inundações e alagamentos pra este domingo, de acordo com o Cemaden.

Ainda segundo o órgão, é alta a probabilidade de deslizamentos de terra, especialmente “quedas de barreira”, nas margens de estradas e rodovias nas regiões Nordeste e Centro-Ocidental do Rio Grande do Sul, na Região Metropolitana de Porto Alegre e na Serra Gaúcha.

Neste sábado, 11, brigadistas que trabalham no centro histórico de Porto Alegre, uma das regiões mais atingidas pela enchente, e no bairro São João tentaram convencer as últimas pessoas a deixarem o local antes que o nível da água volte a subir. A reportagem acompanhou uma patrulha das Guardas Municipais de Porto Alegre e de São Paulo na manhã deste sábado, 11, pelas ruas da capital gaúcha.

A enchente no centro de Porto Alegre, mesmo após a baixa temporária da água, ainda alcança 2 metros em alguns pontos. O vazio destoa das ruas movimentadas do centro em dias normais. Palácios históricos, como o Mercado Público, estão cercados pela água.

Na rodoviária e na estação de trem, a paisagem, com vagões em meio às águas, mostra como o cotidiano dos gaúchos foi totalmente interrompido pelas cheias. O centro da capital expõe a fragilidade das grandes cidades diante da natureza impactada pelas mudanças climáticas.

No bairro São João, durante o período em que a reportagem esteve no local, voluntários iam e voltavam de barcos e jet skis, na maioria das vezes, sem conseguir trazer novas pessoas. Uma das orientações entre os voluntários era parar de fornecer água e mantimentos para as pessoas que resistiam a sair de casa, para que a escassez de insumos force a saída dos lares em risco.

Publicidade