14 de abril de 2021 Atualizado 00:09

8 de Agosto de 2019 Atualizado 13:56
MENU

Publicidade

Compartilhe

Vestibular

Adiamento do Enem embaralha calendário universitário de 2021

Esta será a segunda vez na história do maior vestibular do País que ele deixará de ser feito na data marcada

Por Agência Estado

21 Maio 2020 às 07:14 • Última atualização 21 Maio 2020 às 16:29

A mudança da data do Enem (Exame Nacional do Ensino Médio), que enfim adiada nesta quarta-feira pelo Ministério da Educação, vai dar mais tempo para alunos pobres se prepararem. Mas também embaralha todo o calendário de outros vestibulares e o ano letivo de 2021.

Esta será a segunda vez na história do maior vestibular do País que ele deixará de ser feito na data marcada; a primeira foi quando a prova foi roubada em 2009, conforme revelado pelo Estadão.

Apesar do anúncio do adiamento, o Inep (Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais) do MEC não informou a nova data do exame. De maneira vaga, dizia apenas que a previsão era de “30 a 60 dias em relação ao que foi previsto nos editais”.

O ministro Abraham Weintraub, que sempre defendeu a manutenção da prova em novembro, quer fazer agora uma consulta pela internet sobre a data com estudantes. Para secretários estaduais de Educação e especialistas, a decisão não deve ser só dos alunos e, sim, considerar as redes de ensino, universidades e ainda analisar como será a volta às aulas após a pandemia.

O Enem é a porta de entrada para mais de 200 mil vagas em cerca de 130 instituições por meio do Sisu, o sistema eletrônico que seleciona os candidatos conforme suas notas.

Quando o Enem ocorre em novembro, há ainda cerca de dois meses para que as provas sejam corrigidas e as vagas sejam liberadas no Sisu, o que ocorre em janeiro. Caso a prova seja adiada por 60 dias, o Enem seria em janeiro e aprovações só sairiam em março ou abril, já que há sempre mais de uma lista.

Fuvest e Unicamp

Vestibulares como os da Fuvest e da Universidade Estadual de Campinas (Unicamp) também têm vagas que dependem do Enem. Segundo o reitor da Unicamp, Marcelo Knobel, o calendário ainda será discutido na instituição, mas é “muito provável” que o vestibular seja adiado.

A Unicamp também já reduziu o número de livros obrigatórios para prova, de 12 para 7 este ano, por causa da pandemia, considerando dificuldade de acesso às obras. “Estamos discutindo também o conteúdo, como avançar mais na testagem de habilidades, interpretação de texto.”

Procurada, a Fuvest informou que também pode vir a rever o calendário. Entidades que reúnem universidades particulares sugerem até que a prova do Enem seja reformulada para não prejudicar tanto o calendário letivo.

“Poderia ser feita uma prova mais leve, que possa ser corrigida mais rápido, respondida em um dia só, sem redação”, diz o diretor do Semesp, que representa as instituições privadas de São Paulo, Rodrigo Capelato.

Segundo ele, os alunos atualmente “não fazem nada até sair a nota do Enem”, ou seja, sequer participam dos vestibulares de universidades particulares porque esperam uma vaga no Sisu. Isso só acontece depois que não são aprovados, o que faz com que as aulas comecem em meados de março.

“Entendemos o problema da pandemia, mas estamos preocupados com o ano letivo não ser mais prejudicado.” O Enem é em dois dias, com 180 questões, balizadas por um método estatístico complexo, e uma redação.

Covid

As universidades federais, que são a maioria de vagas no Sisu, já haviam pedido o adiamento da prova para que fossem discutidas também as condições de segurança sanitária em que o exame será realizado. Deve ser muito provável que as salas, normalmente com cerca de 40 alunos durante o Enem, tenham de ter menos estudantes.

Segundo o Estadão apurou, o Inep ainda não tem um estudo dessas mudanças, que preveem também medidores de temperatura na entrada dos prédios. Os técnicos do órgão foram pegos de surpresa ontem com a ordem do ministro para adiar a prova; o assunto seria discutido na diretoria no mesmo dia, mais tarde.

“Com o adiamento, a gente pode pensar melhor a chegada dos novos estudantes”, diz a reitora da Universidade Federal de São Paulo (Unifesp) Soraya Smaili. Para ela, embora não haja plano de redução do número de vagas para alunos novos, discute-se estruturar turmas menores, com salas mais amplas, porque os cuidados sanitários podem ter de ser adotados em 2021.

Publicidade