Após denúncias, Gama diz que vai tomar providências

Diretor da Guarda Municipal, Marcos Guilherme, afirmou que o patrulhamento no local já existe, mas se comprometeu a aumentar a ronda no local


Ciente do problema envolvendo menores na Praça Comendador Müller, o diretor da Gama (Guarda Municipal de Americana), Marcos Guilherme, afirmou que o patrulhamento no local já existe, com viaturas que estacionam em frente à Biblioteca Municipal em determinados períodos.
No entanto, diante das novas denúncias, o diretor se comprometeu a aumentar o patrulhamento, principalmente às sextas e sábados, a fim de coibir ações ilícitas no local.

Foto: Dener Chimeli / O Liberal
Reportagem do LIBERAL esteve no local na última sexta-feira (6)

“A gente tem recebido ligações e manifestações por e-mails, até mesmo de requerimentos através de vereadores sobre a demanda da praça. As viaturas da Guarda são setorizadas e essa viatura fica especificamente nessa região. Já vou passar (aos patrulheiros) e vamos conversar a respeito disso para a gente montar uma equipe para ver essa demanda”, enalteceu o diretor da Gama.

Para o Major Rogério Takiuchi, da Polícia Militar, outro problema encontrado nas reclamações é que muitos dos furtos relatados não são registrados na Polícia Civil, o que atrapalha o mapeamento de crimes, instrumento este utilizado para determinar a disposição das viaturas no município. Em função disso, em reunião recente com comerciantes, ele sugeriu que um abaixo-assinado fosse feito e protocolado em diversos órgãos.

“A polícia tem o papel de tentar previnir os crimes e, se não puder prevenir, reprimi-los imediatamente. Um jovem hoje que comete um crime e é apresentado na delegacia ele não é preso, ele é liberado aos seus pais, então são pessoas e outros atores que têm que participar. A pessoa tem que registrar o crime. Eu tenho mapeado todos os delitos que são registrados. Às vezes a gente acha que é um caso isolado, por falta de registro, e não é um caso isolado, como está acontecendo agora na praça”, esclareceu.

Conselho
O coordenador do Conselho Tutelar, Pedro Gatti, também reconheceu o problema, mas enfatizou que precisa da abordagem por parte da Gama ou da PM para poder lidar com os casos envolvendo menores.

“A abordagem pode ser feita pela polícia, no sentido de qualificar essa criança ou esse adolescente, e então nos remeter para possíveis providências no caso de defesa de direitos. Se for um caso de vício ou mesmo de consumo de bebida alcoólica, é um problema de saúde, então o Conselho Tutelar pode requisitar aos órgãos públicos para que a criança tenha esse acompanhamento”, explicou.

LIBERAL VIRTUAL Acesse agora