13 de agosto de 2022 Atualizado 22:03

8 de Agosto de 2019 Atualizado 13:56
MENU

Publicidade

Compartilhe

Celebridades

Tapa na cara

Um ano após saída polêmica da Record, Marcos Mion se mostra apresentador curinga na Globo e no Multishow

Por MÁRCIO MAIO - TV PRESS

04 de agosto de 2022, às 10h01 • Última atualização em 04 de agosto de 2022, às 10h02

Marcos Mion nunca escondeu seu deslumbre ao se tornar contratado pela Globo. Afinal, sua saída polêmica da Record, no começo do ano passado, foi coroada com muito mais que um prêmio de consolação. Mas, depois de assumir o posto de Luciano Huck no “Caldeirão”, pode se dizer que Mion se tornou uma das grandes apostas da Globo não só na tevê aberta, mas também na fechada. O apresentador já emplacou o reality “Túnel do Amor”, no Multishow, e ainda fez a cobertura do Lollapalooza 2022 para o mesmo canal e a transmissão dos melhores momentos dos shows na própria Globo.

Parte do sucesso de Marcos Mion – seja na Globo, no Multishow ou em qualquer outro canal – certamente vem de sua espontaneidade, quase uma marca registrada. Uma característica que foi fundamental para que sua passagem pelo “Caldeirão”, inicialmente prevista para se encerrar ao fim de 2021, ganhasse fôlego para mais um ano à frente do programa das tardes de sábado. É claro que há um roteiro, mas é visível a forma natural como ele lida com as situações no palco, sem medo de fazer piada de si próprio e deixando seus convidados sempre à vontade. O clima de descontração é constante ali.

Verdade seja dita: Mion conseguiu dar seu toque pessoal a um programa com mais de 20 anos de história e que levava, inclusive, Huck no nome. Não foi preciso uma reformulação completa no “Caldeirão” – e talvez nem fosse mesmo o indicado, visto que se tratava e um formato já consagrado no horário – para que a sensação de novidade viesse. Uma prova da versatilidade do artista, que não só soube se encaixar no que foi herdado de Luciano, como também aproveitou bem as possibilidades de renovação que surgiram.

Um ponto importante da trajetória do paulistano, que completou 43 anos em junho, é o fato de ele não ter precisado estar na Globo para alcançar o sucesso. Ao contrário: foi justamente todo o caminho trilhado nesses 23 anos de carreira, que incluem algumas investidas na carreira de ator, que o fizeram virar uma aposta da emissora. Já em seus primeiros passos na tevê, ele se destacou no comando do “Piores Clipes do Mundo”, na antiga MTV. Ao exibir videoclipes de gostos duvidosos, abusava de um humor que se mantém vivo no atual “Isso a Globo Mostra”, quadro do “Caldeirão”. E que, aliás, rende alguns dos momentos mais divertidos do programa semanal.

Publicidade