Ilha das Couves passa a ter restrição

Apenas 531 turistas por dia, divididos em turnos de até 177 pessoas, poderão visitar uma das principais atrações de Ubatuba


Apenas 531 turistas por dia, divididos em turnos de até 177 pessoas, poderão visitar a Ilha das Couves, que se tornou uma das principais atrações de Ubatuba, litoral norte do Estado de São Paulo. Portaria impondo a restrição foi publicada nesta sexta-feira, 27, pela Fundação Florestal, órgão da Secretaria do Meio Ambiente do Estado. Um estudo concluiu que a ilha comporta no máximo 177 turistas em visita simultânea – cada turno terá duas horas em média.

Até agora, o turismo era feito sem limites e a ilha, localizada na Área de Proteção Ambiental Marinha do Litoral Norte, chegava a receber até dois mil turistas por dia. A Ilha das Couves fica a 2,3 km do litoral, no núcleo Picinguaba do Parque Estadual da Serra do Mar.

Foto: Divulgação
Ilha das Couves terá limite de visitantes por dia

Conforme a Fundação Florestal, a regulamentação das visitas visa a garantir a defesa de um patrimônio ambiental ecologicamente equilibrado. A ilha possui duas praias consideradas paradisíacas, a Praia de Fora, com quase 200 metros de extensão, e a pequena Praia da Terra, com apenas 50 metros.

Nos últimos cinco anos, a ilha entrou no roteiro dos barcos e escunas, passando a receber um fluxo intenso de turistas. As prainhas chegaram a ser tomadas por mais de mil turistas de uma vez. A gota d’água foi no réveillon do ano passado, quando entre 4 mil e 5 mil pessoas superlotaram a ilha.

Equipes do serviço ambiental de Ubatuba relataram a coleta de toneladas de lixo. O turismo predatório motivou a atuação do Ministério Público Federal, da prefeitura de Ubatuba e da Marinha, além da Fundação Florestal. Um grupo multidisciplinar elaborou um estudo sobre a capacidade de suporte da Ilha das Couves em maio de 2018.

O estudo foi compartilhado com a comunidade tradicional caiçara de Picinguaba e discutido em duas audiências públicas, em Ubatuba. Prevaleceu a proposta de se criar turnos de visitação, evitando o excesso de turistas em determinadas horas do dia. O território da ilha foi divido entre as comunidades tradicionais e operadores de embarcações, com a demarcação das áreas para embarque e desembarque, bem como a definição dos horários.

As regras já valem para este verão e as embarcações já foram credenciadas. De manhã, das 8 às 11 horas, a Comunidade Picinguaba poderá levar 177 turistas, repetindo o número no horário de almoço, das 11 às 14 horas. À tarde, das 14 às 17, as comunidades da Almada, Estaleiro e Ubatumirim terão direito, juntas, a 108 visitantes. Já as escunas poderão levar 49 banhistas em dois períodos – das 14 às 15h30 e desse horário às 17 – totalizando 98 pessoas. As lanchas poderão desembarcar 60 visitantes à tarde, entre 14 e 17 horas, divididos em três períodos com 20 pessoas cada.

Os barcos definiram o valor de R$ 55 pela viagem de ida e volta. Para ir até a ilha, o turista precisa se deslocar até a Praia de Picinguaba, que fica a 44 km do centro de Ubatuba, em direção a Paraty, no Rio. A portaria não faz restrição a mergulhos, quando realizados sem desembarque. O mergulho, inclusive à noite, é outra atração da ilha, devido à transparência de suas águas. As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.

LIBERAL VIRTUAL Acesse agora