Férias podem acarretar em alterações no ciclo menstrual

Alterações no ciclo menstrual interferem na perda de peso e libido da mulher e podem estar ligadas às atividades exercidas durante o período de folga


O período de férias é sinônimo de diversão e relaxamento para muitos de nós, mortais. Mas, por incrível que possa parecer, alguns dias de folga podem acarretar em alterações no ciclo menstrual de algumas mulheres.

Mudanças na rotina do sono e na alimentação são alguns dos fatores capazes de desregular a menstruação. Outro ponto (quem diria!) é justamente quem aproveita o período para viajar.

Foto: Freepik
Alterações no ciclo menstrual interferem na perda de peso e libido da mulher

“Algumas mulheres, em regiões montanhosas, têm seu fluxo intensificado, sentem mais cólica e, também, a menstruação pode atrasar ou vir adiantada”, explica o ginecologista Marcos Tcherniakovsky.
Já em locais mais quentes, “o fluxo pode aumentar devido a dilatação dos vasos sanguíneos do útero, causando certo incomodo”, acrescenta a também ginecologista e obstetra Neusa Shigueko Watanabe Fagionato.

Em outras palavras, o ciclo menstrual é muito sensível e pode ser afetado por diversos fatores, tanto externos (temperatura, altitude e mudanças na rotina) como internos (estresse, depressão, ansiedade).

Segundo a ginecologista, o ciclo menstrual é regulado pelo sistema nervoso central e tem como “maestro” o hipotálamo. É ele o responsável pela produção dos hormônios que levam a ovulação e posterior sangramento. “Esta interação é muito delicada e qualquer pequena alteração neste eixo pode levar a uma mudança no ciclo menstrual”, explica.

ESTRESSE

O estresse está presente na maioria dos casos de alteração menstrual nessa época do ano. E os motivos variam: há quem aproveite o período para colocar as tarefas em dia ou fazer uma reforma em casa; há quem se preocupa mais em cuidar e entreter os filhos (igualmente de férias e passam mais tempo em casa).

Quem precisa trabalhar durante os meses em que a maioria da população está de férias – lojistas e garçonetes, por exemplo – pode ficar sobrecarregada no trabalho.

“Esta região (útero e ovários) recebe estímulos diretamente do córtex cerebral e também responde às nossas emoções. Portanto, períodos de estresse, depressão, ansiedade e privação de sono podem modificar a função do hipotálamo levando a uma desregulação do ciclo menstrual”, explica Neusa.

A alteração hormonal não apenas desregula a menstruação, mas pode impactar na fertilidade, peso, libido, entre outros fatores que influenciam diretamente na qualidade de vida da mulher.

Atividade física e alimentação ajudam no equilíbrio

A dica é tentar não mudar muito a rotina, optar por uma alimentação balanceada e, principalmente, manter os hábitos do dia a dia como horários das refeições e do sono. Outra dica é, mesmo nas férias, praticar 30 minutos de atividade física por dia, no mínimo.

“Além de colaborar para que o cérebro descarregue hormônios responsáveis pelo prazer e bem-estar, como serotonina e dopamina, atividades físicas aliviam dores do período menstrual. É indicado, inclusive, para quem sofre com as dores da endometriose. Portanto, vale separar 30 minutos por dia, mesmo nas férias, nem que seja para fazer uma caminhada”, explica o ginecologista Marcos Tcherniakovsky.

Quanto aos filhos em casa, obras de reforma ou mesmo sobrecarga no trabalho, a sugestão é manter a calma. Conheça seus limites e, havendo tarefas em excesso, não hesite em pedir ajuda a alguém de confiança.

“Quando o relógio biológico volta ao normal, o ciclo menstrual regula, sem necessidade de medicações, porém se ela se mantiver irregular, recomenda-se investigar outras alterações hormonais”, ressalta ginecologista e obstetra Neusa Shigueko Watanabe Fagionato.

Fonte: Unimed Santa Bárbara d´Oeste e Americana e Hospital Sírio-Libanês.

LIBERAL VIRTUAL Acesse agora