5 melhores destinos para intercâmbio com acessibilidade

Nos últimos anos fala-se muito sobre a deficiência física e a importância dos meios de transporte, serviços, entre outros


“O Dia de Luta das Pessoas com Deficiência surgiu justamente para integrar todos indivíduos que tenham algum tipo de deficiência na sociedade. Por isso, é importante apresentarmos e debatermos soluções para todos os tipos de deficiências. A Belta, Associação de Agências de Intercâmbio do Brasil, apresenta anualmente às associadas destinos acessíveis aos diversos tipos de deficiência. A inclusão na educação internacional é um direito de todos(a) e muitas escolas no exterior estão preparadas para receber alunos com necessidades especiais”, evidencia Maura Leão, presidente da Belta (Associação das Agência Brasileiras de Intercâmbio).

Pensando nisso, Maura Leão, especialista em intercâmbio há mais de 20 anos e presidente da Belta, separou os 5 melhores destinos com acessibilidade.

Foto: Divulgação
Seattle

Seattle – Estados Unidos

Existem duas explicações para Seattle aparecer com frequência no topo das listas de cidades com melhor acessibilidade: a cidade tem uma área metropolitana bastante concentrada e, as linhas de metrô, diferentes de cidades com urbanizações mais antigas como Nova York e Boston, já foram planejadas dentro dos padrões mais modernos de acessibilidade.

Foto: Divulgação
Las Vegas

Las Vegas – Estados Unidos

Las Vegas está preparada para toda sorte de turistas e não poderia deixar os deficientes físicos de lado. Além de possuir acomodações e serviços de transporte adaptados, até os cassinos contam com rampas e elevadores de acesso. Inclusive, algumas das máquinas caça níqueis contam com sistema de áudio para que deficientes visuais também possam jogar.

Foto: Divulgação
Dublin

Dublin – Irlanda

Outro País que tem o inglês como língua oficial e excelente estrutura para deficientes é a Irlanda. A cidade de Dublin tem sinalização diferenciada para pessoas com deficiência visual e todos os meios de transportes são adaptados para cadeirantes. Além disso, Dublin conta com diversos tipos de intercâmbio que vão desde cursos rápidos de inglês a combinação de trabalho e estudo.

É permitido trabalhar no País enquanto faz o intercâmbio. Por ser um País adaptado para os deficientes é possível buscar um trabalho durante a estadia. A principal dica aqui é pesquisar por moradias próximas aos meios de transporte e “fugir” das edificações antigas que só têm escadas como meios de acesso.

Foto: Freeimages.com
Nova York

Nova Iorque – Estados Unidos

Em uma das cidades mais agitadas do planeta temos o sistema de metrô adaptado para deficientes físicos e visuais. São 110 estações de metrô com mapas táteis e em braile disponíveis, elevadores e portões acessíveis.

Além do transporte, Nova Iorque tem atrações para todos os gostos como os shows da Broadway interpretados na língua de sinais americana e muitas vezes com legendas disponíveis para atender os deficientes auditivos e/ou assistir a partidas de esportes dos times preferidos (Todos os estádios são acessíveis e contam com banheiros adaptados).

Para o intercâmbio, NY faz parte do segundo país mais procurado pelos intercambistas (EUA) porque tem excelência nos seus centros de estudos e claro “respira” atrações que assistimos em tantos filmes e séries ao longo da vida.

Foto: Divulgação
Montreal

Montreal – Canadá

Aprender dois idiomas, francês e inglês, e conseguir chegar ao intercâmbio com tranquilidade. A cidade de Montreal oferece essa inclusão aos deficientes físicos. Com 7 estações de metrô desenvolvidas com acessibilidade é possível chegar aos seus parques abertos e em outros locais culturais.

O Canadá ocupa o primeiro lugar dos destinos escolhidos pelos brasileiros (a) para fazer intercâmbio, de acordo com a pesquisa Selo Belta. Para se ter ideia respondeu por 24,4% dos intercambistas brasileiros no ano passado e é há 6 anos consecutivos o país mais procurado para fazer intercâmbio.

Foto: Divulgação
Barcelona

Barcelona – Espanha

O idioma espanhol é o segundo mais procurado, segundo a pesquisa da Belta e a Espanha ocupa o sexto lugar dos destinos mais procurados por intercambistas brasileiros. E não é a toa, o País, além de acolhedor, conta com várias cidades que têm acessibilidade nos seus serviços. Barcelona é uma delas.

É adaptada para os deficientes físicos nas suas praças, museus, restaurantes, e ainda conta com museus com obras táteis. É o caso do Museu de Arte Contemporânea de Barcelona que tem obras com audiodescrição, possibilitando escutar as descrições das obras, e também táteis para que os deficientes visuais possam sentir a peça.

LIBERAL VIRTUAL Acesse agora