Monte a sua própria horta dentro de casa

Quem quer se ver livre dos agrotóxicos e ter uma vida mais saudável, pode ter alimentos orgânicos no quintal ou até na varanda do apartamento


Foto: Pexels
Uma dieta saudável depende da origem dos produtos e da forma como são cultivados

Já pensou em ter legumes e verduras como alface, cenoura, rúcula, cebolinha, entre tantos outras, sempre fresquinhas e livres de agrotóxicos? Com cada vez mais pessoas se preocupando com a alimentação, ter alimentos saudáveis à mão a qualquer momento é uma ótima opção. Para isso, você pode investir em uma horta caseira. O melhor é que você não precisa de espaços grandes para a sua plantação: dá para adaptar uma boa horta ao espaço que você tenha disponível aí na sua casa ou apartamento. Não é novidade que uma alimentação saudável traz muitos benefícios. É possível eliminar toxinas do corpo, fortalecer o sistema imunológico, perder peso e ganhar vitalidade, isso tudo apostando nos alimentos mais naturais – numa sociedade em que, cada vez mais, a junk food, ganha espaço. Além disso, o tempo investido cuidando da terra alivia o estresse do dia a dia, estimula a sensação de recompensa e ainda proporciona bem-estar.

Foto: Todeschini_Divulgação
O uso de vasos é perfeito para cultivar em espaços reduzidos

1 – Hortas pequenas:
Se você tem um espaço pequeno disponível para montar sua horta, como em apartamentos, por exemplo, prefira investir em vasos ou jardineiras. Eles podem ser de qualquer tamanho, mas assegure-se de só plantar espécies que irão se adaptar ali. Jardineiras tendem a ser mais compridas, oferecendo liberdade para montar canteiros de hortaliças, por exemplo, enquanto os vasos separados são viáveis para quem pretende cultivar espécies diferentes.

Como fazer:
– Escolha um vaso ou jardineiras com furos;
– Encha um terço do vaso com brita ou pó de brita, para a drenagem;
– Coloque uma mistura de duas partes de terra, uma parte de composto orgânico e uma parte de húmus até a borda do vaso;
– Espalhe um pouco de areia;
– Plante as mudas.

Foto: Cultura Mix_Divulgação
O solo merece atenção especial para que as mudas cresçam saudáveis

2 – Hortas médias:
Quem dispõe de um espaço maior, pode plantar as mudas e sementes diretamente na terra – criando, assim, um canteiro. Aqui, você pode cultivar os mesmos alimentos indicados para os vasos, além de outros, que precisam de mais espaço. Durante o desenvolvimento das plantas, é preciso capinar o solo e retirar ervas daninhas que competem por nutrientes.

Como fazer:
– Revolver o solo com enxada ou pá, deixando a terra bem solta e fofa;
– Misturar o composto orgânico;
– Deixar o canteiro 20 centímetros acima do nível do terreno;
– A largura do canteiro deve ser de no máximo 1,20 m;
– Marcar os espaçamentos (exemplo: os pés de alface devem ficar a dois palmos um do outro);
– Posicionar as mudas de maneira intercalada, em forma de triângulo, para evitar a erosão;
– Misturar as sementes com areia e espalhar com a mão sobre o canteiro de maneira mais uniforme possível;
– Regar pelo menos uma vez ao dia. Em regiões quentes, duas vezes ao dia até as mudas emergirem. Regar nas horas frescas, de preferência pela manhã.

Foto: Pexels
Incidência de Sol, o cuidado com o solo e com o clima são fatores determinantes para a qualidade do plantio 

Dicas para fazer uma horta

Antes de começar o seu próprio cultivo, vale destacar algumas dicas e fatores

O SOL. Escolha um local de fácil acesso, que tenha disponibilidade de água. O ideal é que o canteiro receba luz solar por, aproximadamente, cinco ou seis horas por dia. A horta deve ser feita na direção norte-sul, ou seja, voltada para o norte para aproveitar melhor o Sol.

O SOLO. O solo também requer atenção: um solo pobre não vai fazer com que as sementes se desenvolvam. É preciso garantir a “nutrição” usando adubos e elementos orgânicos.

O CLIMA. Por último, mas não menos importante, preste atenção ao clima e às variedades de legumes e verduras que você quer plantar. Temperatura e volume de chuva podem interferir no crescimento das mudas.

Calendário de plantio

Janeiro: alface, agrião, aipo, couve, rabanete, almeirão, nabo, beterraba, rúcula, chicória, espinafre, batata-doce, salsa e coentro;

Fevereiro: rabanete e alface;

Março: cenoura, almeirão, salsa, alho, alface, chicória, espinafre, salsão, couve-flor, brócolis e repolho;

Abril: agrião, almeirão, beterraba, nabo, salsa, alho, rúcula, chicória, salsão, brócolis, couve-flor, espinafre;

Maio: rabanete, cenoura, almeirão, nabo, beterraba, salsa, rúcula, repolho, couve-flor;

Junho: cenoura, nabo, beterraba, rúcula, alho, brócolis;

Julho: almeirão, rúcula, alho, alface, rabanete, chicória, rabanete;

Agosto: jiló, berinjela, pimenta, pimentão, tomate;

Setembro: alface, rabanete, cenoura, jiló, berinjela, pimenta, pimentão, tomate, feijão vagem, abobrinha, pepino, maxixe, salsa e coentro;

Outubro: cenoura, couve-flor, brócolis, repolho, pimentão, tomate, berinjela, jiló, pepino, maxixe, mandioquinha, batata-doce;

Novembro: rabanete, cenoura, brócolis, repolho, couve-flor, coentro, batata-doce;

Dezembro: abobrinha, feijão vagem, pepino, cenoura e repolho.

ATENÇÃO. Apesar de serem indicados os melhores meses para o plantio de cada espécie, alguns alimentos podem ser cultivados o ano todo. É o caso da mostarda, abobrinha, acelga, agrião, alface, almeirão, berinjela, beterraba, cebolinha, cenoura, chicória, couve manteiga, espinafre, feijão vagem, jiló, pepino, rabanete, rúcula e salsa.

Fonte: EcoDesenvolvimento.org

LIBERAL VIRTUAL Acesse agora