Alimentação a favor do aprendizado escolar

Entenda como a ingestão de alimentos ricos em vitamina E, magnésio e ômega 3 podem ajudar a criança com dificuldades de aprendizado 


A infância é um período de descobertas e muito aprendizado. Por vezes, os estímulos externos são tantos que os pequenos têm dificuldade para manter o foco nas atividades que desenvolvem, em especial no meio escolar, podendo acarretar em problemas de compreensão e, consequentemente, no aprendizado e no comportamento. Uma maneira de mudar esse cenário é incluir alimentos como vegetais escuros, frutas, grãos e sementes ricos em vitamina E, magnésio e ômega 3, nutrientes que favorecem a concentração e memória.

“A fase escolar, que vai dos 6 aos 10 anos de idade, é muito intensa e envolve o rápido desenvolvimento de habilidades intelectuais e motoras, muitas vezes interligadas no seu aprendizado. A inclusão desses alimentos melhora a capacidade de aprendizagem, linguagem, memória e concentração da criança”, explica a pediatra Denise Katz.

Foto: Freepik
Uma alimentação balanceada deve conter todos os nutrientes que a criança necessita para se desenvolver

Os pequenos não são os únicos beneficiados com essa alimentação. Estudos apontam que os adolescentes também apresentam melhora da capacidade de planejamento e resolução de problemas, concentração, aprendizagem verbal e ortografia, e melhor rendimento escolar.

Segundo Katz, o ômega 3 é essencial para a manutenção das membranas celulares dos neurônios e de suas bainhas de mielina (se assemelham a uma cauda). Uma célula saudável realiza mais e melhores sinapses (ligações) entre os neurônios, fazendo com que os estímulos nervosos cheguem rapidamente a regiões do cérebro responsáveis pela atenção, concentração e memória.

A vitamina E reforça a comunicação entre as células e beneficia o sistema imunológico da criança, enquanto o magnésio evita falhas de memória e a irritabilidade, além de regular a glicose no sangue e dar energia ao pequeno.

Alimentos amigos dos estudantes

Foto: Freepik
Abacate é uma das fontes de magnésio

1 – Magnésio:
Espinafre, semente de abóbora, peixe cavala, arroz integral, abacate, banana, chocolate amargo, couve, acelga, feijão preto, coentro, castanha de caju e salmão;

Foto: Freepik
Fonte de vitamina E, o brócolis deve fazer parte do cardápio de crianças e adolescentes

2 – Vitamina E:
Manteiga de amendoim, espinafre, brócolis, tomate, manga, kiwi, abacate, semente de girassol, avelã, amendoim, damasco, amora, óleo de oliva e óleo de girassol;

Foto: Freepik
Rico em ômega 3, o peixe deve ser consumido ao menos uma vez por semana  

3 – Ômega 3:
Peixes, oleaginosas (nozes, castanhas, etc), óleo de canola, linhaça, camarão, couve, semente de chia.

Foto: Freepik
Pediatra ensina os pais a buscarem estratégias para incentivar a criança a desenvolver bons hábitos alimentares

E quando a criança não come?

Nem toda criança gosta de comer brócolis, sementes de abóbora, abacate e peixes, por exemplo. Quando há recusa é hora de colocar a criatividade em prática.

A “CARA” DO ALIMENTO. Vale mudar a apresentação do alimento (fazer bolinhos, por exemplo), carinhas, formatos cativantes (estrela ou bichos) e caprichar nas cores (deixando o prato bem colorido);

NOME CRIATIVO. Os pais também podem criar nomes interessantes para as receitas que façam parte do universo infantil (como personagens famosos, etc).

PRAZER POR COMER. Ao preparar receitas para crianças, a ideia é tornar a refeição prazerosa e garantir que consumam os nutrientes necessários.

SUPLEMENTOS. A pediatra Denise Katz sugere incrementar a alimentação com suplementos de DHA e EPA, além de ácidos graxos insaturados presentes no ômega 3. “A suplementação com vitaminas e ômega-3 é uma orientação que segue essa rotina, e ajuda a suprir as deficiências da alimentação no dia-a-dia”, diz ela. Um médico deverá ser consultado para indicar a suplementação adequada para a criança.

LIBERAL VIRTUAL Acesse agora

Receba nossa newsletter!