Pesquisa revela preferência por contato ao vivo

Pesquisa revela: jovens preferem enviar mensagens e contato face a face que falar pelo telefone


O telefone continua sendo a principal ferramenta de comunicação entre os jovens. São horas pendurados ao aparelho com uma única (e grande) diferença: o que antes era usado para falar, hoje é para teclar. Falar pelo telefone, nem pensar – ok, só em casos de emergência!

Segundo estudo feito pela psicóloga Viviane Aires de Aguire Mearraoui, a maioria dos jovens acha o telefone “pouco motivador” e, por isso, tendem a evitá-lo. “Os adolescentes preferem enviar um e-mail ou mensagem de texto, do que telefonar. O contato por voz é mais usado para informar sobre a localização deles, é sempre algo objetivo e rápido”, diz ela.

Aplicativos como WhatsApp, Facebook Messenger, Instagram, Twitter e Skype foram os mais citados como principais meios de contato com amigos e familiares. A pesquisa foi feita com 60 estudantes do ensino médio de escolas particulares e públicas, na faixa dos 14 aos 18 anos.

Teclar é legal, mas o contato face a face ainda é muito melhor! Ao contrário do que achavam os pais, os teens adoram (e preferem) conversar fora do mundo virtual e foi a segunda opção mais votada por eles. “Apesar das possibilidades de contato à distância, o interesse em tratar alguns assuntos pessoalmente não diminuiu entre eles”, diz a psicóloga.

A vantagem da conversa tête-a-téte é poder visualizar as expressões faciais e gestos de quem fala e de quem ouve, qual a reação e o humor que a mensagem provoca, contribuindo para o entendimento do assunto e de todo o contexto exposto.

“Eles estão o tempo todo se comunicando por mensagens de texto, combinando eventos com diversos jovens. Parece muita coisa para uma única pessoa, mas os adolescentes são ‘multitarefeiros’, ágeis e estão presentes em vários meios da escrita, redefinindo fronteiras públicas e privadas e não conhecem muitos limites para seus desejos”, afirma Viviane.

LIBERAL VIRTUAL Acesse agora