Atenção aos gatos pretos, que correm risco de maus-tratos

ONGs que cuidam de gatos precisam ficar atentas ao interesse repentino somente por animais da cor negra


Todo Halloween ou sexta-feira 13 é a mesma história: é preciso evitar passar embaixo da escada, quebrar espelho e cruzar com um gato preto na rua, certo? Algumas crenças são tão antigas que, por vezes, não questionamos sua veracidade ou origem. No caso dos bichanos, o problema é mais grave e pode levar a maus-tratos. Mas, de onde vem a ideia de que gato preto dá azar?

Foto: Pixabay - CC
O papa Inocêncio VIII, no século 15, chegou a incluir o animal em sua lista de perseguidos pela Inquisição

A superstição teve origem na Idade Média, quando se acreditava que os felinos, por causa de seus hábitos noturnos, tinham parte com o demônio. E se o bichano fosse da cor negra, era associado às trevas. O papa Inocêncio VIII, no século 15, chegou a incluir o animal em sua lista de perseguidos pela Inquisição. A Igreja Católica promovia campanha assassina contra supostas heresias e bruxarias.

Na Inglaterra, diz a lenda que, em certa noite, um gato preto foi agredido a pedradas. Encurralado, ele fugiu para a casa de uma senhora que costumava dar abrigo a gatos de rua. Na manhã seguinte, essa pessoa também apareceu machucada. E isso foi suficiente para que o povo acreditasse que a mulher seria uma bruxa e o gato, um disfarce noturno dela.

Saindo do viés religioso, o paganismo considera o gato como figura de sabedoria e proteção. Na Escócia, por exemplo, um gato preto no alpendre traz prosperidade.

Gatos pretos ainda são usados em rituais de magia. Em uma pesquisa breve na internet, é possível mensurar o grau de crueldade dos envolvidos: “Para se transformar em um mago, você deve amarrar um gato preto e jogá-lo vivo dentro de uma panela de água fervente. Deixe-o cozinhar até que a pele descole totalmente dos ossos”, diz uma página na web.

ONGs que cuidam de gatos precisam ficar atentas ao interesse repentino somente por animais da cor negra. Utilizar animais em rituais e agredi-los configura crime ambiental e é preciso denunciar. Abandono, agressão, envenenamento e condições insalubres de vida aos pets estão entre os principais problemas registrados.

Em abril passado, a atriz Paolla Oliveira publicou uma foto com um gatinho preto no perfil oficial dela no Instagram. “Sexta-feira 13, 14, 15, não importa a superstição, o que não pode é maltratar bicho nenhum em qualquer dia do ano. Gato preto é lindo e não tem culpa de ‘tradições’ criadas por humanos”, escreveu na legenda da foto, pedindo que seguidores denunciem maus-tratos sofridos pelo animais.

LIBERAL VIRTUAL Acesse agora

Receba nossa newsletter!