T-Cross se destaca pela tecnologia e promete bater de frente com os principais SUV

Reportagem do LIBERAL pôde conferir o lançamento na última quarta-feira, durante um test drive com a versão topo de linha, a Highline 250 TSI


Foto: João Carlos Nascimento - O Liberal.JPG
Com essa motorização – 1.4 l de 4 cilindros – o T-Cross consegue atingir, por exemplo, 110 km/h em menos de 2 mil rpm

A concessionária Germânica, em Americana, ganhou uma novidade na semana passada. Trata-se do Volkswagen T-Cross, um SUV que se destaca pela tecnologia embarcada e promete bater de frente com os principais modelos da categoria. A reportagem do LIBERAL pôde conferir o lançamento na última quarta-feira, durante um test drive com a versão topo de linha, a Highline 250 TSI, na cor Bronze Namibia (marrom).

O T-Cross chama atenção, principalmente, pelo Park Assist 3.0, um dispositivo que ajuda o motorista a estacionar em vagas paralelas ou perpendiculares. O condutor, primeiro, precisa dar seta e posicionar o carro adequadamente, como se ele mesmo fosse realizar a baliza. Depois, o veículo começa a se manobrar sozinho. O motorista só tem de controlar o freio e, conforme as orientações disponíveis no visor, trocar a marcha para frente ou para trás.

No T-Cross, o usuário também administra quais informações ele quer que apareçam no painel. Além da velocidade e do conta-giros, por exemplo, ele pode colocar o mapa do GPS e o consumo de combustível.

Foto: João Carlos Nascimetno - O Liberal.JPG
No T-Cross, o usuário também administra quais informações ele quer que apareçam no painel

Fernanda de Souza Costa, consultora de vendas da Germânica, aponta outros atributos tecnológicos do veículo. “É um dos primeiros SUVs dessa categoria que tem teto elétrico panorâmico. Nele vêm detector de fadiga, pressão dos pneus. Então é um carro bem top mesmo”, afirmou.De acordo com a consultora, outra qualidade do modelo é a economia no consumo de combustível, motivada pelo motor TSI. “Eles falam ‘downsize’, que é um motor pequenininho, que daí é bem mais potente e mais econômico”, disse.

Com essa motorização – 1.4 l de 4 cilindros – o T-Cross consegue atingir, por exemplo, 110 km/k em menos de 2 mil rpm (rotações por minuto), conforme foi constatado pela reportagem. Na cidade, o veículo faz 7,7 km/l com etanol e 11 km/l com gasolina. Na estrada, o consumo é de 9,3 km/l com etanol e 13,2 km/l com gasolina.

A Highline 250 TSI tem câmbio automático de seis velocidades. O T-Cross conta com mais três versões, todas 1.0.

PONTO A PONTO

TECNOLOGIA. Nesse quesito, o T-Cross leva vantagem perante a concorrência. E, à primeira vista, o que mais desperta interesse é o Park Assist 3.0. Essa tecnologia realmente ajuda o motorista. O carro, porém, não faz tudo sozinho. Para ter um estacionamento seguro, o condutor precisa prestar atenção ao redor e no visor do veículo, além de controlar o freio.

Foto: João Carlos Nascimento - O Liberal.JPG
primeira vista, o que mais desperta interesse é o Park Assist 3.0.

NAVEGAÇÃO. Hoje, é comum encontrar carros que tenham GPS integrado. Mas, no caso do T-Cross, há um aprimoramento: o mapa de navegação pode ser visto no painel. Assim, o motorista não precisa olhar para a tela multimídia localizada ao lado. Isso, em tese, diminui a possibilidade de acidentes, pois mantém a atenção do condutor à frente dele.

Foto: João Carlos Nascimento - O Liberal.JPG
Hoje, é comum encontrar carros que tenham GPS integrado

ECONOMIA. Apesar de ser potente, o motor do T-Cross também é econômico, pois exige menos rotações que o normal. A versão top de linha, Highline 250 TSI, atinge uma potência de até 150 cavalos, a 5 mil rotações por minuto. Na cidade, o carro faz 7,7 km/l com etanol e 11 km/l com gasolina. Na estrada, o consumo passa a ser de 9,3 km/l com etanol e 13,2 km/l na cidade.

SEGURANÇA. O lançamento também conta com atributos que favorecem para a segurança do motorista e dos passageiros. Um deles é o controle eletrônico de estabilidade. Ao detectar saída da trajetória, essa tecnologia faz o motor e o freio atuarem de forma a trazer o veículo de volta para o curso. Também há sensor de fadiga, que identifica se a concentração do condutor está dispersa.

Foto: João Carlos Nascimento - O Liberal.JPG
Também há sensor de fadiga, que identifica se a concentração do condutor está dispersa

ESPAÇO. O porta-malas tem capacidade de 373 litros, que pode aumentar para 420 litros, pois os bancos do passageiro e traseiro são rebatíveis. Também há espaço de sobra para as pernas de quem está na parte de trás. A distância entre eixos é de 2,651 metros. Tudo isso gera conforto para os usuários, principalmente em viagens longas.

Foto: João Carlos Nascimento - O Liberal.JPG
O porta-malas tem capacidade de 373 litros, que pode aumentar para 420 litros
LIBERAL VIRTUAL Acesse agora

Receba nossa newsletter!