Novo Peugeot 208 chega em 2020

Hatch combina ousadia nas linhas e tecnologia; polo industrial no Rio está recebendo R$ 220 milhões para produção


A primeira coisa que chama a atenção no novo Peugeot 208 é o visual bastante original. O hatch compacto se destaca por um design atraente, com linhas modernas e agradáveis, combinadas com equipamentos tecnológicos altamente desejáveis, geralmente típicos de carros do segmento superior. As linhas são limpas e alongadas, com laterais ampliadas e um corpo com musculatura bem definida, que dão muita personalidade ao modelo.

O modelo é construído sobre a nova plataforma CMP, estrutura modular para modelos compactos e médios das marcas da PSA – Peugeot, Citroën, DS e Opel. Justamente para se credenciar a produzir modelos nesta plataforma, o polo industrial de Porto Real, no Rio de Janeiro, está recebendo investimentos de R$ 220 milhões e vai ficar paralisada entre novembro deste ano até janeiro do ano que vem. A previsão é que novos hatches e SUVs compactos da Peugeot e da Citroën comecem a ser produzidos já em 2020.

Foto: Peugeot - Divulgação
Primeira impressão tem visual bastante original, com linhas modernas

O lançamento do 208 hatch deve ser entre março e abril. A produção, a princípio, deve ser na planta da marca na Argentina, mas há a possibilidade de ser o primeiro modelo com a plataforma CMP a ser produzido em Porto Real com as novas instalações.

De qualquer forma, o maior poder de atração do modelo será, certamente, as linhas ousadas e esportivas – características que ficam ainda mais evidentes nas versões GT Line e GT. Esta configuração traz molduras nos arcos de roda em preto brilhante e rodas de 17 polegadas com inserções específicas, para o benefício da aerodinâmica.

Outra ousadia no segmento é a parte traseira, onde há uma faixa preta entre uma lanterna e outra. A nova geração do Peugeot 208 tem pouco mais de 4 metros de comprimento, uma distância entre-eixos de 2,54 metros, semelhante ao atual, e 1,75 m de largura, 4 cm maior. Ganhou também 7 cm no comprimento e ficou 3 cm mais baixo, com 4,06 metros e 1,46 m. A capacidade do porta-malas é de 311 litros.

Uma das vantagens deste novo Peugeot 208 está na ampla gama de motores eficientes e limpos, com a possibilidade de escolher também a nova versão 100% elétrica – que não deve chegar ao Brasil tão cedo. Em relação aos motores térmicos a gasolina, eles cumprem as normas Euro 6.d, enquanto todos os motores diesel cumprem as normas Euro 6.d-temp.

O propulsor 1.2 PureTech de três cilindros, aspirado e com turbo, está disponível em etapas de 75, 100 e 130 cv. No Brasil, na versão flex, o PureTech 1.2 aspirado rende 84/90 cv com gasolina/etanol e está disponível apenas na versão com caixa manual.

Mas como o mercado está começando a exigir motorização turbo para os modelos compactos, é possível que uma versão turbinada passe a fazer parte da linha, no lugar do atual 1.6 16V flex de 115/118 cv. Neste caso, o câmbio seria o automático de seis velocidades utilizado atualmente. Já a gama diesel europeia é composta apenas pelo BlueHDi 1.5 litros, com quatro cilindros e 100 cv, com transmissão manual de 6 velocidades.

Primeiras impressões

No test-drive do novo Peugeot 208, ficou claro que o pequeno francês foi aperfeiçoado para não apenas ser confortável e ágil, mas também agradável de dirigir e muito tecnológico. A aderência nas curvas é excelente, direção e manobras precisas são facilmente executadas, especialmente na cidade.

O novo Peugeot 208 se inspirou no carro-conceito Fractal, mostrado em diversos salões pelo mundo, e traz terceira geração do i-Cockpit, agora com visualização em 3D. A tela está disponível em tamanhos de 5, 7 ou 10 polegadas, dependendo do nível de configuração.

O volante tem dimensões compactas e é plano nas partes superior e inferior, uma solução ergonômica que melhora bastante a agilidade. O volante abriga os paddle shifts do câmbio e a transmissão automática de oito marchas é simples. Ele traz protocolos de conexão Apple CarPlay, Android Auto e Mirrorlink para a conexão com smartphones ou mesmo tablets e há um carregador por indução e quatro portas USB no console.

A versão elétrica foi a que mais nos surpreendeu: seu excelente arranjo de peso fez com que a sensação de direção fosse muito semelhante à das versões térmicas. No entanto, o motor responde rapidamente, muito mais rapidamente do que as térmicas e a potência está imediatamente disponível com um torque impressionante e pode ser explorada de várias maneiras, dependendo do modo de direção escolhido. A autonomia real do Peugeot 208 elétrico é de 343 quilômetros, mas é necessário prestar um pouco de atenção e ter um pé leve para alcançar esse número.

LIBERAL VIRTUAL Acesse agora