Imponência e tecnologia da Nissan Frontier

Picape da montadora japonesa, que agora chega ao Brasil foi testada pelo LIBERAL na última quarta-feira e surpreende pelas qualidades


Foto: João Carlos Nascimento - O Liberal
Frontier passou por mudanças na direção, suspensão e mobilidade; motor é o 2.3 l de 190 cv

A nova versão da Nissan Frontier se destaca pelo conforto e segurança. Antes produzida no México, agora chega de Córdoba, na Argentina. Além da nacionalidade, existem mudanças na suspensão, direção e mobilidade. Na última quarta-feira a reportagem do LIBERAL fez um teste com a versão topo de linha do carro, a Frontier LE. O veículo foi disponibilizado à reportagem pela Nissan Dahruj de Americana.

A parte mecânica segue com o motor bi-turbo diesel 2.3 l, com 190 cv, o mesmo de 2018. A transmissão automática é de sete marchas e tem modo sequencial. A aposta para alavancar a popularidade da picape é uma suspensão remodelada, com a dianteira de garfo duplo e a traseira multilink com eixo rígido, que garantem a estabilidade da carroceria nas curvas.

“Agora você pode andar que ela não trepida, não dá solavanco, não pula tanto igual as outras picapes faziam”, afirmou o gerente comercial da Dahruj, Kleber Martins.

Outra novidade são as quatro câmeras 360° que auxiliam na hora de estacionar ou sair com o veículo. “Acabou aquela coisa de ficar olhando para um lado, olhando para o outro, só olha para o painel e manobra o carro. Para um veículo como a Frontier isso é essencial”, disse o gerente nesta quarta-feira.

Foto: João Carlos Nascimento - O Liberal
Os assentos possuem a tecnologia chamada pela montadora de “Gravidade Zero”

O isolamento acústico teve melhorias e torna quase imperceptível os ruídos do ambiente externo. Os assentos possuem a tecnologia chamada pela montadora de “Gravidade Zero” – baseada em estudos da Nasa que identificam os pontos do corpo mais suscetíveis a fadiga, segundo a Nissan.

Quanto ao consumo, segundo as especificações do fabricante, a Nissan Frontier LE percorre 9,2 km/l na cidade e 10,5 km/l em rodovias, desempenho semelhante à de outras picapes da categoria nacional.

Variantes. São disponibilizadas quatro versões, todas 2.3 l, desde a Frontier S, a mais barata (R$ 136,1 mil), com transmissão manual de seis marchas e recomendada para a rotina diária de trabalho, até a Frontier LE, que traz ar-condicionado digital Dual Zone, bancos de couro, regulagem elétrica para o banco do motorista, rodas de aro 18 e teto solar elétrico. (R$ 193,2 mil).

Foto: João Carlos Nascimento - O Liberal
Na rodovia, a picape se comportou bem, e a sensação de troca de marcha quase não é perceptível no câmbio automático

Funcionalidades garantem conforto

À primeira vista, a imponência visual da Frontier LE apode assustar aos novatos no segmento picape. Basta os primeiros metros serem ultrapassados para notar que a direção é intuitiva e as funcionalidades oferecidas no painel tornam o percurso agradável.

Na rodovia, a picape se comportou bem, e a sensação de troca de marcha quase não é perceptível no câmbio automático. Ao passar por buracos na via, não houve grande turbulência, como promete a fabricante. Mas o ponto forte é o conforto e segurança oferecidos pelo modelo.

As quatro câmeras oferecem uma visão 360° de todos os ângulos do veículo – recurso fundamental em um carro 4×4 que naturalmente possui dimensões alargadas. O recurso te dá o ângulo exato de manobra e cobre os pontos cegos. Os assentos acomodam bem o corpo, enquanto o volante – menor se comparado à versão passada, propicia uma condução sem grande esforço. O banco traseiro não é espaçoso como poderia ser para o que se espera de uma picape, embora tenham sido esticados em 12,9 cm em relação ao modelo do ano passado.

Ficha técnica:
Nissan Frontier LE

  • Motor: 2.3 l 16 V
  • Potência máxima: 190 cv a 3.750 rpm
  • Velocidade máxima: 173 km/h
  • Transmissão: automática de 7 velocidades, com modo sequencial
  • Pneus: 255/60 cm, aro 18
  • Capacidade da caçamba: 1.054 l
  • Tanque de combustível: 80 l
  • Preço: R$ 193.290,00
LIBERAL VIRTUAL Acesse agora