EcoSport Titanium abandona o estepe

SUV compacto da Ford agora possui pneus run flat, que rodam 80 km a até 80 km/h com pressão zero


O mercado de SUVs compactos no Brasil se bifurcou. No início, os consumidores do segmento buscavam um visual que destacasse a robustez e o espírito aventureiro dos modelos. Mas de uns tempos para cá, os modelos passaram a atrair também um novo consumidor, oriundo principalmente do segmento de sedãs médios.

Estes não se interessam não pelo visual off-road. Preferem modelos mais “civilizados”, com desenho elegante e recursos bem tecnológicos. Disputar esse consumidor é a missão que a Ford reservou para a renovada versão Titanium do EcoSport. O modelo chega às concessionárias da marca neste mês de fevereiro já como linha 2020 e traz como maior novidade a eliminação do estepe da tampa traseira.

Foto: Eduardo Rocha / Carta Z Notícias
Ford Ecosport

A novidade só foi possível pela adoção de pneus run flat, que rodam até 80 km com pressão zero. As demais versões do EcoSport mantiveram o visual tradicional, com o pneu pendurado na traseira. Com a chegada da linha 2020, os preços de tabela também foram alterados.

A mais cara continua sendo a Storm, que tem sistema 4X4 e utiliza o motor 2.0 litros de 176 cv. Ela custa R$ 108.390. As demais agora só recebem o motor 1.5 de três cilindros e 130/137 cv. A configuração de entrada, SE, começa em R$ 78.990 na versão manual e vai a R$ 84.990 na automática.

A FreeStyle fica em R$ 85.890 na mecânica e R$ 91.890 na automática. A Titanium, que é sempre automática, sai a R$ 103.890.

Foto: Eduardo Rocha / Carta Z Notícias
Ford Ecosport

Para desenvolver a nova versão Titanium com pneus run flat, a Ford trabalhou com a Michelin por cerca de dois anos e meio no processo de validação. A marca norte-americana decidiu criar esta alternativa agora porque esta segunda geração do EcoSport está prevista para ficar no mercado por ainda alguns anos.

Quando ela foi lançada, em 2012, o conceito de pendurar o estepe na tampa traseira estava começando a cair em desuso. Mas na época do lançamento, em 2012, a fabricante já não tinha muito o que fazer, pois o porta-malas não tinha espaço para acomodar o pneu sobressalente e modificar o projeto naquela altura já não era uma opção.

LIBERAL VIRTUAL Acesse agora