Carro de corrida e de rua: diferenças intermináveis

Ao LIBERAL, chefe da equipe americanense TMG Racing explica que ajustes no carro de corrida são tantos que elementos originais do veículo desaparecem


A construção de um carro de corrida, na realidade, nunca termina. Pelo menos é com esse pensamento que trabalham as escuderias da Stock Car, segundo Thiago Meneghel, chefe da equipe americanense TMG Racing, com quem a reportagem do LIBERAL conversou durante os preparativos para a 9ª etapa do campeonato da categoria, realizada no autódromo Velo Città, em Mogi Guaçu. Os ajustes nos carros são tantos, que, praticamente, os elementos do veículo original desaparecem.

Os veículos de competição andam somente em circuitos de corrida automobilística, que contam com retas de 750 a 1,2 mil metros e várias curvas, conforme lembra Meneghel. Portanto, sua montagem é específica para essa finalidade.

Foto: Fernanda Freixosa / Vicar
Thiago Meneghel chefia a equipe americanense TMG Racing

“Quando a montadora vai projetar um carro de rua, ela pensa num carro que pode andar na cidade, andar em estrada, andar, muitas vezes, em estrada de terra, fazer percurso curto, longo, andar por 200, 300 mil quilômetros ou mais em toda vida útil do carro”, compara.

O desempenho do veículo depende, principalmente, de dois fatores: velocidade e aderência. Então, os equipamentos adicionados ao carro, em suma, potencializam essas características.

No caso da Stock Car disputada no Brasil, os automóveis têm como base a carcaça do Chevrolet Cruze, mas apresentam um desenho bem diferente. Os carros possuem outra estrutura aerodinâmica, com assoalho e extrator num tamanho maior que o convencional e asa traseira.

“Todo o assoalho dele é muito bem pensado para dar o máximo de aderência possível na pista”, diz Meneghel. Para maior aderência, o veículo também é rebaixado, a ponto de ficar apenas a quatro centímetros do chão.

Foto: Editoria de arte / O Liberal
Comparação: carros de corrida e de rua

Além disso, os pneus são maiores que o normal. Em condições normais, de pista seca, a borracha também é completamente lisa. Pneus de veículos de rua, por outro lado, contam com ranhuras, para que seja possível transitar na chuva.

“Quanto mais pneu você tem, maior sua superfície de contato com o chão, mais aderência você vai ter. Então, por isso que o pneu de corrida é liso, para você tem a maior superfície possível na pista”, afirma.

O câmbio também muda. Há seis marchas, acionadas por meio das borboletas do volante. De acordo com o chefe da TMG, essa é uma das partes mais caras do carro. Ele afirma que a caixa de câmbio completa custa em torno de R$ 400 mil.

Segundo Meneghel, o veículo possui freio superdimensionado, o que ajuda a aguentar as constantes freadas de alta intensidade. Ele apontou que, por conta de seu peso, os carros da Stock Car estão entre os que mais exigem freio no mundo – são mais pesados, por exemplo, que os de Fórmula 1.

“A coisa mais comum que a gente vê acontecer é gente que quer pegar um carro de rua e põe na pista. A primeira coisa que acaba é freio. Isso acontece muito nos ‘track days’ (evento que permite o público a dirigir carros convencionais em pista de corrida). Pode pegar esses superesportivos que for”, destaca.

O carro ainda tem chassi tubular, que não é preso às outras peças automobilísticas e, portanto, possibilita a desmontagem completa do veículo.

Na Stock Car, os veículos são montados pela empresa JL e, depois, passam por ajustes nas equipes. “A gente até brinca que a construção de um carro de corrida não termina nunca”, destaca Meneghel.

A presença do Cruze no maior campeonato automobilístico do Brasil também ajuda na promoção do modelo, de acordo com Rodrigo Afonso, gerente comercial da Automec de Americana, concessionária da Chevrolet. “Todo marketing que a Chevrolet faz em cima dos carros reflete nas vendas dos mesmos, inclusive o Cruze. Várias regiões estão crescendo suas vendas”, comentou.

CARRO DE CORRIDA X CARRO DE RUA

Altura: 1 m x 1,48 m
Comprimento: 5,5 m x 4,67 m
Largura: 1,9 m x 2,04 m
Peso: 1.325 kg (com o piloto) x 1.321 kg
Potência: 525 cv (V8) x 153 cv (1.4)
Velocidade máxima: 345 km/h x 214 km/h
Pneu: 325/380 cm (Aro 18) x 215/50 cm (Aro 17)

LIBERAL VIRTUAL Acesse agora

Receba nossa newsletter!