2019 é ano de novidades importantes no mercado

Boa fase do segmento no Brasil coloca expectativa de lançamentos em vários setores


A retomada do mercado automotivo brasileiro em 2018 devolveu confiança às fabricantes. Tanto que para o ano novo a promessa é de lançamentos em praticamente todos os segmentos, principalmente nos de SUVs, de carros elétricos e também de hatches compactos. O aumento de 14,1% no volume de novos carros vendidos na comparação entre 2017 e 2018 criou uma boa expectativa em relação a 2019.

A Volkswagen vai lançar em março um dos seus modelos mais aguardados, o T-Cross. Ele vai ser fabricado em São José dos Pinhais (PR) com motores do Polo (1.0) e Golf (1.4), sempre com turbo. Além disso, tem a Chery com o Tiggo 7, que chega já em janeiro com grande recheio de equipamentos para brigar com rivais médios, como o Jeep Compass, por exemplo.

A Ford prepara a vinda de um modelo global de sua linha, o Territory. Alguns modelos elétricos farão suas estreias por aqui em 2019. A Chevrolet vai trazer o Bolt, a Nissan chega com o Leaf, o modelo elétrico mais vendido no mundo, e a Renault aposta no subcompacto Zoe. Todos concorrerão entre si já no primeiro semestre com preços que variam entre R$ 150 mil a R$ 180 mil.

Um modelo que deve “agitar” o mercado é o Toyota Corolla da nova geração. O sedã campeão de vendas da marca japonesa já foi mostrado lá fora, mas só chega por aqui em agosto. Ele usa a plataforma TNGA, de Prius e Camry, e já virá como modelo 2020. Entre as marcas premium, a Audi traz o seu sedã de luxo A6, pronto para brigar com o BMW Série 5 e o Mercedes-Benz Classe E.

Foto: Divulgação
Audi A6

As vendas dessa nova geração estão confirmadas para o primeiro semestre de 2019. Os motores vão desde o 2.0 TFSI de 245 cv, que permite uma aceleração de zero a 100 km/h em 6,8 segundos, até o 3.0 V6 TFSI, de 340 cv, que baixa o tempo da aceleração para 5 segundos cravados. Há sistema de propulsão híbrido suave de 48V. Para economizar combustível, o modelo pode circular na cidade apenas em modo elétrico e até mesmo desativar o propulsor em velocidades de cruzeiro entre 55 e 160 km/h. Entre os equipamentos estão teto solar, faróis full led, controle de cruzeiro adaptativo, câmara 360 graus e o painel digital, virtual cockpit, entre outros. Outra novidade prometida pela marca é o modelo elétrico e-tron, com espaço para cinco pessoas e autonomia de até 400 km, que chega no segundo semestre com preço em torno de R$ 500 mil.

Foto: Divulgação
BMW Z4

A marca alemã vai passar a vender no Brasil a nova geração do roadster Z4, um dos carros mais comemorados da montadora. Lá fora ele tem três versões, com o destaque para a versão de topo M40i, que deve ser a primeira a chegar por aqui. O Z4 M40 carrega um poderoso motor 3.0 turbo de seis cilindros em linha com 339 cv de potência, capaz de levar o modelo aos 100 km/h, partindo da imobilidade, em um período de apenas 4,5 segundos. A lista de equipamentos engloba itens como, por exemplo, head up display, painel de instrumentos digital e rodas de liga leve de 19 polegadas pintadas de preto. Outra novidade importante para a marca é o novo Série 3. A previsão de chegada ao Brasil é na metade do ano, na versão importada do México, mas a tradicional marca alemã tem planos de produzir o modelo na unidade fabril de Araquari, localizada em Santa Catarina.

Foto: Divulgação
Bolt

O modelo da Chevrolet é capaz de rodar até 380 km com uma única carga, mas em uso normal a autonomia gira em torno de 250 km. A vantagem, segundo a GM, é que uma recarga parcial, de 30 minutos, permite rodar até 145 km, ou cerca de 100 km em uso normal. Em números oficiais, o Bolt pode ir de zero até 100 km/h em apenas 6,5 segundos. O hatch custará R$ 175 mil e vem com diversas tecnologias de auxílio à condução, como alerta de ponto cego e de tráfego cruzado, e assistente de estacionamento, painel customizável e pneus autovedantes.

Foto: Divulgação
Chery Tiggo

De início, o modelo será importado na China, mas depois vai dividir a linha de montagem em CKD com o Tiggo 5x, em Anápolis, Goiás. O Tiggo 7 usa a plataforma modular T1X, com dimensões de 4,5 m de comprimento, 1,83 m de largura e 1,67 m de altura com entre-eixos de 2,67 m 4 cm a mais do que no Tiggo 5x. O trem de força é igual ao do Tiggo 5x. Sob o capô, o 1.5 turbo flex, com comando variável, potência de 147/150 cv (etanol/gasolina) e 21,4 kgfm de torque. O câmbio do carro é automatizado de dupla embreagem com seis velocidades.

Foto: Divulgação
Corolla

A nova geração do modelo, um dos maiores sucessos da montadora no mundo, mantém o entre-eixos de 2,70 m, mas virá com comprimento um pouco menor e bitolas dianteira e traseira mais largas. Outra mudança está na suspensão traseira, que antes era por eixo de torção e passa a ser multilink. O novo Corolla tem visual mais esportivo e refinado, com faróis de led e rodas de 18 polegadas. A gama do carro tem um novo 2.0 de 173 cv acoplado a um câmbio CVT capaz de simular até dez marchas para trocas manuais – o antigo 1.8 a gasolina deve continuar em cena nas versões mais baratas. Há itens como alerta de colisão, monitor de ponto cego e de faixa de rolamento e farol alto automático. Tem tela sensível ao toque no alto do painel com sete polegadas na versão de entrada e de oito polegadas nas demais. Todas com compatibilidade com a Apple CarPlay.

Foto: Divulgação
Leaf

Por R$ 178.400, o Leaf só chega a partir do meio do ano. Na segunda geração, o modelo elétrico mais que dobrou sua autonomia – era de 170 km e passou para 400 km ciclo europeu, eminentemente urbano. No ciclo norte-americano, que inclui muitos trechos rodoviários, ela cai para 240 km. O motor do Leaf rende o equivalente a 150 cv de potência e 32,6 kgfm de torque e traz um pacote completo de assistência à condução, com alerta de mudança de faixa, frenagem automática, sensor de ponto cego e reconhecimento de placas.

Foto: Divulgação
Stonic

Com estilo que remete à esportividade, o SUV compacto Stonic é feito sobre a plataforma do hatch Rio e vem com a grade “nariz de tigre”, marca visual da fabricante, luzes de neblina que integram uma moldura na vertical, faróis com canhão ótico e luzes de rodagem diurna em leds, e rodas esmaltadas em cinza com raios diamantados. Inspirado pela onda do “downsizing”, o Kia Stonic ganhou, lá fora, uma gama de motores de última geração que podem ser abastecidos com gasolina ou diesel: um 1.0 turbo GDI, com injeção direta, que tem potência de 120 cv; um 1.4 litro de 100 cv; e o 1.2 litro, “enfraquecido”, com 84 cv. Todos são acoplados a uma caixa manual de seis velocidades ou automática e a tração é dianteira. Os preços do novo veículo da montadora devem oscilar entre R$ 80 e 100 mil, brigando numa gama de automóveis que faz sucesso no mercado nacional.

Foto: Divulgação
T-cross

Trata-se do primeiro SUV compacto da marca alemã. Ele é fabricado sobre a plataforma MQB-A0, mas terá características próprias nos diferentes mercados. Para Brasil e América Latina, ele será produzido na fábrica de São José dos Pinhais, Paraná, a partir do começo de 2019. Serão 4,19 m de comprimento e 1,56 m de altura – 9 cm mais alto que o modelo europeu. A gama de motores é composta pelos TSI de 1.0 e 1.4 litro, com câmbio manual ou automático de seis marchas. A versão de topo Highline 1.4 tem painel de instrumentos digital, central multimídia de oito polegadas, partida por botão, controles de estabilidade e tração com assistente de partida em rampa, rodas aro 17 polegadas, bancos de couro, seletor de modos de condução, sistema de estacionamento automático, faróis em full led, seis airbags, iluminação interna em led, saída de ar no banco traseiro, quatro tomadas USB e teto solar panorâmico. Preços devem começar na casa dos R$ 80 mil no País.

Foto: Divulgação
Territory

O Ford Territory deve ser produzido na Argentina. O utilitário esportivo médio foi desenvolvido na China em conjunto com a Jiangling Motors para mercados emergentes. A expectativa é de que o SUV concorra com Jeep Compass na casa dos R$ 130 mil. Na China, são três opções de motor: a gasolina, um híbrido com motor de ciclo Miller, e um híbrido plug-in, que pode ser recarregado na rede elétrica. Um conjunto de tecnologias de assistência ao motorista completa os equipamentos do modelo, como o Co-Pilot360, que inclui recursos como alerta de colisão com sistema autônomo de frenagem, monitoramento de ponto cego, sistema de permanência em faixa, câmara de ré e farol alto automático. Além disso, tem piloto automático adaptativo, assistente de partida em rampa e estacionamento automático. O sistema multimídia tem duas telas: uma de 10,25 polegadas que fica no console central, e outra no painel de instrumentos, que espelha dados da tela central.

Foto: Divulgação
Wrangler

A marca vai trazer a nova geração do Jeep Wrangler nas versões Sport, de duas portas, Sahara, de duas e quatro portas, e Rubicon, sempre com quatro portas. O motor é sempre o mesmo: um 2.0 Turbo de 270 cavalos e tração 4X4. Os preços vão variar entre R$ 200 mil, da versão Sport, até os R$ 280 mil, da Rubicon. Esta nova geração do automóvel traz as tecnologias de assistência à condução que já estão se tornando padrão nos países centrais do mercado automotivo, como monitor de ponto cego e também de frenagem automática.

LIBERAL VIRTUAL Acesse agora