Jeito se ser!

A barba é hoje um estilo de vida, faz parte da personalidade e fica bem em homens com vários tipos de perfil


[\img]Ela coça, atrapalha para comer, esquenta a cara… Ter uma barba é para os fortes, já diriam os fãs da vasta cabeleira facial. Mas é uma questão de tempo até ela se tornar uma grande amiga. Símbolo da masculinidade, a barba é um convite rumo ao autoconhecimento e maturidade, capaz de desenvolver a personalidade do menino-homem em troca de uma rotina de cuidados que inclui um fiel escudeiro: o barbeiro. Para estes jovens barbudos, o processo começou por curiosidade assim que os primeiros cabelinhos despontaram. Hoje – mesmo ralinha em alguns casos – difícil é se imaginar sem ela.

Agradecimento: Nando Garcia, barbeiro no Urban Hair Design

[\img-1]“Sem ela eu me sentia estranho”

O administrador e compositor Ralf Ricardo da Silva tinha 18 anos quando decidiu manter a barba. “Acho que foi parte desse processo de formação de personalidade. Quando eu tirava, parecia que não era eu, as pessoas também estranhavam. Então um belo dia, deixei crescer”, conta. O estilo teve inspiração nos caras do Dallas Green e no cantor William Fitzsimmons, e contou com a ajuda profissional de seu braço direito desde então, Nando Garcia. “A partir daí a barba se tornou parte da minha personalidade”, orgulha-se. E não parou por aí! Aos 22 anos, com a criatividade e confiança a mil, deu origem a um projeto pessoal de música, o Lighthouse.

Garcia é o único autorizado a mexer no “barbado”. Para evitar pelos desgrenhados, a visita ao barbeiro acontece, rigorosamente, a cada 15 dias. Além do corte, hidratação nos fios e na pele. Em casa o sistema é roots, a base do xampu e condicionador, vez ou outra. “Os produtos para barba ainda são poucos e difíceis de encontrar, então, por hora, mantenho assim, xampu todos os dias”, diz.

[\img-2]Uma barba e um amor

O fotógrafo Guilherme Pavan, 24, testou vários cortes até encontrar o seu, há dois anos, inspirado no modelo Ricki Hall – o cara mais influente no mundo do haircut atualmente. Mas até encontrar o desenho perfeito, foram dias de coceira e incômodo. “Incomoda para comer, esquenta, coça pra caramba. Mas depois de dois meses você acostuma. É como cabelo. Você lava, penteia, se quiser dá até para amarrar”, ri.

Desafio vencido, a barba rendeu um novo visual e atraiu olhares curiosos, entre eles, um amor. “De certo modo a barba atraiu também (risos). Ela [a namorada] acha bacana e me ajuda a manter em ordem”, fala. Além dos toques da namorada, a rotina inclui banho diário com xampu, secador e óleo para manter pelos e pele hidratados. Outro ponto interessante foi a credibilidade. “As pessoas levam mais a sério o que você diz e o pessoal curte um visual mais ‘loucão’ em se tratando de fotografia, confiam mais no meu trabalho e até preferem”, revela.

[\img-3]Liberdade e cara nova

Deixar a barba crescer foi um ato libertador para o serigrafista Miguel Rodrigues, 24. Apaixonado pelo estilo anos 80 dos homens barbados e bigodudos, deixar a barba crescer estava fora de cogitação há poucos anos. Isso porque em seu antigo emprego “cara limpa” era uma exigência. Quando a vida apontou outro rumo, os pelos finalmente venceram. “Fui deixando só. Tinha preguiça de fazer e aí foi crescendo”, conta.

A barba trouxe também um semblante mais sério, adotado por Miguel de imediato – custou para o moço sorrir para as fotos! “Tenho jeito de moleque, sem a barba fico parecendo um adolescente. A barba passa essa ideia de ser mais velho”, brinca. Mas os fios deixados à revelia estavam com os dias contados em 2014. “Minha namorada não gosta muito quando fica grande, então eu aparo com a ‘maquininha’ em casa”, revela. Para deixar os pelos limpos e pele hidratada, o gel pós-barba dá conta do recado, afirma Miguel.

A barba perfeita…

– Esqueça o barbeador por dois meses; quanto maior os pelos, maiores as possibilidades de encontrar o melhor corte

– Visite o barbeiro uma vez ao mês; deixe para o profissional a responsabilidade de nortear os fios

– Em casa, apare as pontas com tesoura ou ‘maquininha’, de leve

– Faça a limpeza diária com sabonete ou xampu neutro; condicionador dia sim, dia não, para controlar a oleosidade

– Pergunte ao barbeiro qual a melhor solução para manter hidratados fios e pele.

LIBERAL VIRTUAL Acesse agora