Pronto-socorro pode ser a porta de entrada de infecções

Transmissão de doenças é mais fácil em ambiente fechados e com acúmulo de pessoas, onde vírus e bactérias conseguem passa de uma pessoa para outra


Mudanças bruscas no clima e temperaturas mais baixas levam a um aumento considerável de doenças respiratórias alérgicas (como rinite e asma) e infecciosas (como resfriado, gripe e pneumonia).

O médico de família Nulvio Lermen Junior alerta que as transmissões dessas doenças respiratórias se tornam mais fáceis em ambientes fechados, com acúmulo de pessoas, onde os vírus e as bactérias conseguem, através das gotículas de espirro e tosse, passar de uma pessoa a outra. Curiosamente, é o caso das emergências hospitalares.

Foto: Pixabay
Pronto-Socorro pode ser a porta de entrada da gripe e de outras doenças

“Buscar uma emergência estando apenas com coriza, resfriado ou rinite alérgica pode ser uma porta de entrada para outras infecções. A indicação clínica é levar a criança ao hospital quando há febre persistente, desconforto respiratório acompanhado por cansaço e em caso de mudanças repentinas no comportamento, quando o bebê está mais quieto que o habitual ou extremamente irritado, o que pode ser em decorrência da dificuldade para respirar”, instrui o médico.

Ele explica também que o resfriado é um quadro mais brando, precedido por uma febre que não é persistente, e o estado geral da criança costuma permanecer bom. Nesses casos, indica-se observar a criança e, se necessário, procurar o médico que já faz o seu acompanhamento.

Já nos quadros de bronquiolite, o neném não consegue expelir a secreção e possui muita dificuldade para respirar. Há aparente piora do cansaço e a pele embaixo das unhas ou nas mucosas pode apresentar coloração azul-arroxeada (sintoma conhecido como cianose). Caso identificado algum desses sintomas, é recomendável procurar um serviço de emergência.

LIBERAL VIRTUAL Acesse agora