Dicas para a boa saúde da mulher

Diferentes do sexo oposto, as meninas atravessam grandes alterações no decorrer da vida, o que requer um cuidado ainda mais especial com a saúde


Foto: Lorelyn Medina - ADOBE STOCK
Diferentes do sexo oposto, as meninas atravessam grandes alterações no decorrer da vida

Quando pequenas, elas não se misturam com os meninos. Depois, começam a interagir com os coleguinhas e as amigas. Chega a fase das descobertas, hormônios à flor da pele. Na juventude, buscam afirmação pessoal e profissional. Com a chegada da menopausa, entre os 40 e 50 anos, outra quebra: a mulher passa a ter milhares de questionamentos e, com isso, precisa reaprender a lidar com novas questões

Diferentes do sexo oposto, as meninas atravessam grandes alterações no decorrer da vida, o que requer um cuidado ainda mais especial com a própria saúde. Maioria nos atendimentos médicos particulares, segundo a Agência Nacional de Saúde Suplementar (ANS), a orientação para manter a saúde plena e duradoura é o cuidado de ir, regularmente, ao médico ginecologista. É este profissional que vai ter um olhar cuidadoso sobre possíveis complicações que só as mulheres apresentam como, por exemplo, o câncer no colo do útero – que pode ser evitado se checado, regulamente, o estado de saúde da mulher por meio do exame preventivo, indicado para ser realizado uma vez ao ano (veja mais no final do texto).

Outros problemas como endometriose, câncer de mama, infecção urinária, fibromialgia, depressão e obesidade também merecem olhar cuidadoso, por serem consideradas (pela ANS) as principais doenças que afetam o sexo feminino.

DESAFIOS. Quem conhece muito bem este universo feminino é Letícia Dalla Vecchia Kury, gerente médica da Ecco Salva, que acredita que a sociedade atual impõe desafios a mais para as mulheres. “As mulheres na atualidade, desempenham as mesmas funções que os homens. Somado as demais responsabilidades e preocupações, sua carga de estresse é muito alta. Precisamos, sim, de uma busca constante pelo nosso equilíbrio físico e mental, proporcionando a valorização da nossa autoestima todos os dias e cuidando da nossa saúde”, comenta a médica especialista em Nutrologia e Geriatria Clínica e Preventiva.

A doutora destaca ainda que uma emergência médica não tem hora pra acontecer. “Precisamos, sim, estar atentas para algum sinal de alerta que nosso corpo possa apresentar e buscar dessa forma ajuda médica e manter hábitos saudáveis”, afirma Letícia, que também tem especialização em Urgência e Emergência pelo Hospital Albert Enstein (SP).

Atenta a este cenário, ela recomenda que a mulher ande sempre com o seu histórico médico, indicando medicações e possíveis doenças. No caso das gestantes, o ideal é que mantenham consigo os contatos do seu médico e de familiares

Confira algumas dicas para ficar de bem com a vida

  • Alimente-se bem, de forma saudável
  • Beba bastante água
  • Consulte o seu ginecologista pelo menos duas vezes ao ano
  • Faça o exame preventivo anualmente
  • Tente um planejamento familiar
  • Atenção ao pré-natal, se você estiver grávida
  • Pratique exercício físico regularmente
  • Mantenha um peso saudável
  • Acompanhe com regularidade as suas taxas hormonais e, se indicado, faça a reposição hormonal de acordo com as indicações médicas
  • E por último, e tão importante quanto: em qualquer situação, mantenha a sua autoestima elevada. Isso faz toda a diferença para uma vida plena!

Você sabe como funciona o exame preventivo?
Com uma espátula e uma escovinha, o médico provoca uma pequena descamação da superfície externa e interna do colo do útero. As células colhidas são colocadas numa lâmina de vidro (para microscópio) que será encaminhada para análise em laboratório especializado. O exame não dói é simples e rápido e precisa ser feito anualmente.

Quanto mais relaxada, menor o desconforto

Quando for fazer o exame, não tenha relações antes da sua realização

Evite o uso de duchas, medicamentos vaginais e anticoncepcionais locais (como espermicidas, por exemplo)

Não faça no mesmo dia ultrassonografia transvaginal ou ressonância magnética da pelve, nem exame ginecológico com toque

A menopausa chegou. E agora?

Foto: Auremar - ADOBE STOCK
Passar por este período pode ser bem leve se você tiver o acompanhamento de um profissional

Trabalhar corpo e mente ajuda, e muito, em qualquer transição. Passar por este período pode ser bem leve se você tiver o acompanhamento de um profissional que monitore os seus níveis hormonais e te ajude a entender sobre a melhor forma de se adaptar a esta nova fase.

Se indicada, faça a reposição hormonal

Repor hormônios deixados de produzir pelo corpo não engorda e vai ajudar a manter distantes os desconfortos dessa nova fase (como as ondas de calor, por exemplo)

Faça uso de um bom repositor de cálcio (peça a indicação de um ao seu médico ginecologista)

Mantenha hábitos saudáveis

Pratique exercícios de forma regular

Procure um nutricionista – este profissional vai te orientar sobre quais alimentos podem ajudar nesta fase da vida (e quais devem ser evitados)

Peça ao seu ginecologista um lubrificante vaginal, caso sinta esta necessidade

Se cuidando, você pode continuar esbanjando atrativos para uma vida feliz e saudável

Website: http://www.eccosalva.com.br

Para ter um pré-natal seguro

Assegurar a saúde da mãe e acompanhar a gravidez assim que confirmada deve ser prioridade e, para isso, é importante que se realize o pré-natal, assistência médica na qual a mãe faz consultas regulares a um obstetra para acompanhar o desenvolvimento do bebê de maneira correta.

De acordo com Antônio Braga, coordenador científico da Maternidade do CHN, realizar o pré-natal de forma atenta e comprometida aumenta as chances de uma gravidez sem riscos tanto para a mãe quanto para o bebê, além de tirar dúvidas pertinentes e detectar possíveis anomalias e doenças no feto de forma precoce – antes mesmo do nascimento.

“Nos exames feitos durante as consultas, o obstetra também poderá avaliar de perto a saúde da mãe em casos de diabetes gestacional e outras doenças que podem surgir durante a gestação, como a pré-eclâmpsia, também conhecida como hipertensão na gravidez. Tratá-las de forma certa impede que elas interfiram na própria gravidez e na saúde do bebê”, reitera o médico.

Até o final do segundo trimestre da gestação, por volta da 27ª semana, as consultas devem ser mensais, e entre o sexto e o oitavo mês, passam a ser quinzenais. Já durante o último mês de gravidez, a mãe deve se consultar com o obstetra de confiança uma vez por semana. Além de acompanhar o feto, o médico especialista também orientará a mãe sobre os cuidados necessários, como manter uma alimentação saudável, praticar exercícios físicos regularmente e interromper certos hábitos, como pintar os cabelos, fumar ou ingerir bebidas alcoólicas

EXAMES. Dentre os exames mais importantes realizados no pré-natal estão os de sangue, para checar tipagem sanguínea, fator Rh, anemia, taxa de glicose, a presença de vírus HIV, citomegalovírus, rubéola, hepatites B e C e sífilis, além de parasitas como a toxoplasmose; o exame de urina e fezes, para detectar infecções que possam ameaçar a saúde da mãe, causando anemia, ou do bebê, criando infecções e contribuindo para um parto prematuro; e as ultrassonografias, ao menos uma em cada trimestre, para avaliar a idade da gravidez, se o bebê está se desenvolvendo de forma adequada, o risco de malformações, se há a possibilidade de parto prematuro e pré-eclâmpsia.

Fonte: https://www.chniteroi.com.br

LIBERAL VIRTUAL Acesse agora

Receba nossa newsletter!