Chocolates estragados podem trazer risco à saúde

Quando o controle de umidade na hora de armazenar o alimento não é feito da forma correta traz prejuízo


Consumido em todo o mundo, com destaque para EUA e principalmente Europa, onde não falta às mesas, o chocolate também é muito apreciado no Brasil.

Além da Páscoa, época em que o Brasil bate recorde de lançamentos de produtos feitos a partir do chocolate, existem outras datas comemorativas em que o consumo do doce aumenta. É cada vez mais frequente o consumo do chocolate como presente no Dia dos Namorados e no Natal, segundo a ABICAB.

Foto: Divulgação
O chocolate estragado pode estar esbranquiçado, cheio de bolinhas na parte superior e com sabor bem diferente

Mas, atenção! Não é só a embalagem do produto que deve estar em perfeitas condições na hora da compra. Toda expectativa de experimentar um sabor novo e se deliciar com um docinho pode ir por água abaixo se o produto não foi armazenado da forma correta.

Trufas, barras de chocolate e até mesmo uma caixa de bombom, não importa o tamanho e nem a loja em que o doce foi comprado. Todos os tipos de chocolate podem sofrer danos se forem guardados em lugares muito úmidos, escuros e com temperatura alta. O chocolate estragado pode estar esbranquiçado, cheio de bolinhas na parte superior e com sabor bem diferente.

Esses problemas, tecnicamente conhecidos como Fat Bloom e Sugar Bloom são muito comuns quando o controle de umidade na hora de armazenar o alimento não é feito da forma correta.

E o consumidor tem o direito e o dever de reclamar, pois além de prejuízo financeiro, o descuido da empresa ou da loja na armazenagem pode resultar até na presença de algumas larvas dentro do chocolate. Inclusive, marcas conhecidas já passaram por esses problemas e foram obrigados a ressarcir os consumidores.

Dr. Bactéria comenta em muitas entrevistas e alerta: “O fungo, por si só, não causa mal. Mas alguns tipos produzem micotoxinas (substâncias tóxicas) que causam desde intoxicações alimentares até câncer do sistema hepático”. Na dúvida, não coma o alimento, jogue no lixo.

Para que o chocolate chegue até o consumidor, existem as Boas Práticas de Fabricação, regulamentado pela ANVISA. Nem todas as empresas seguem um processo rigoroso que inclui cuidados com temperatura, umidade ideal e higiene, por isso é necessário ter atenção às empresas que investem na qualidade do processo de fabricação, garantindo segurança nos chocolates ofertados ao mercado.

Fonte: www.thermomatic.com.br

LIBERAL VIRTUAL Acesse agora