Cinema e empatia: confira filmes que ensinam as crianças a fugirem de estereótipos

Pantera Negra é um sucesso e mostra o primeiro heroi negro da Marvel nos cinemas; mas ele não é o único a mostrar a importância da representatividade


 

O Oscar, maior cerimônia do cinema mundial, mostrou nesse último domingo, dia 04 de Março, a importância da representatividade nos filmes. Seja nos discursos das estrelas que foram premiadas ou nas películas que concorriam, o certo é que as pessoas querem se enxergar nas histórias que assistem. Aos poucos, a indústria do cinema percebe que tem que acompanhar a realidade das pessoas e que cada realidade é diferente quando falamos de indivíduos. Principalmente a minoria: negros, mulheres, estrangeiros, deficientes físicos e\ou mentais e LGBTs.

Mulheres e negros, por exemplo, ainda são minoria na direção dos filmes. Para ter uma ideia, no período de 2007 a 2017, apenas 52 filmes foram dirigidos por mulheres. Neste mesmo período, apenas 63 longas foram dirigidos por negros. “A questão dos filmes apresentarem estereótipos deve ser algo debatido nas salas de aula e também com os pais\responsáveis pelas crianças. Acredito que essa seja uma responsabilidade de toda e qualquer instituição de ensino”, explica o psicólogo Augusto Jimenez.

Alguns filmes de sucesso recentes ajudam os pequenos a fugirem dos esteriótipos e pensarem na questão da representatividade e da empatia:

Pantera Negra

O primeiro filme de herói com protagonistas negros conquistou a marca de 5 ª maior bilheteria de estreia da história dos EUA e já arrecadou mais de US$ 900 milhões ao redor do mundo. “É um grande avanço já que nos quadrinhos o Pantera Negra já existe a mais de 50 anos. Crianças e jovens negros que quase nunca se veem representados nas telas têm acesso a uma super produção, com efeitos de ponta, e finalização invejável”, disse o especialista.

Foto: Divulgação
O filme é um dos grandes sucessos do Marvel Studios

Mulher Maravilha

O primeiro filme que traz uma heroína como protagonista mostra que heróis e heroínas têm a mesma importância. “Ou seja, por meio da película está sendo abordada a igualdade de gênero. Que deve ser algo natural tanto na escola quanto mais tarde no mercado de trabalho. Por meio do filme, as crianças enxergam que as oportunidades devem ser iguais para todos. Independente de ser mulher ou homem. O importante é essa criança enxergar que ela pode ser quem ela quiser”.

Foto: Divulgação
Gal Gadot mostra a força da mulher em “Mulher Maravilha”

Star Wars Episódio VII: O Despertar da Força

O trio protagonista desse episódio da saga é composto por um latino, uma mulher, e um negro. Apesar do produtor do filme, Bryan Burk, ter afirmado que a questão da representatividade nem deveria ser discutida e sim ser algo natural, já enraizado, o filme ajudou a milhares de crianças a se enxergarem na história. “Principalmente quando falamos dos estrangeiros e os milhares problemas que imigrantes enfrentam no dia a dia. A saga já se passa em uma galáxia multicultural e inclusiva. Vale a pena conferir os demais filmes”.

Foto: Divulgação
Finn, Rey e Poe são os protagonistas da nova trilogia Star Wars

Extraordinário

O filme que tem como pano de fundo o livro, de mesmo nome, da escritora R.J.Palacio, mostra a vida de um menino portador da Síndrome de Treacher Collins. “A deformidade que o personagem tem no rosto é significativa e a narrativa mostra a relação dele com os colegas de escola e as demais ações do seu dia a dia. Apesar de o filme ter recebido algumas críticas como a escolha do ator que fez o papel principal, muitos acreditam que deveria ter sido alguém portador da síndrome a ser escolhido, o filme ensina alguns valores para crianças e adultos. Como: superação, respeito pelas diferenças, e empatia”, ressaltou.

Foto: Divulgação
O filme ressalta a importância da representatividade e empatia

A Bela e a Fera

O novo filme da Bela e a Fera retrata a diversidade e um tipo de protagonismo diferente dos grupos historicamente representados. “Tendo como personagens principais uma mulher e um personagem caracterizado como fera, o filme além dos protagonistas fora dos estereótipos traz também o primeiro personagem homossexual da Disney nas telas. Retratando a descoberta da sexualidade pelo personagem”.

Foto: Divulgação
A Bela e a Fera traz Emma Watson como protagonista
LIBERAL VIRTUAL Acesse agora

Receba nossa newsletter!